Ubuntu Notícias

Administradora Lucélia Muniz

Nova Olinda-CE

Meu chão cearense

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira nossos Patrocinadores

Anuncie com a gente

Marketing Digital

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

Equipe de Nova Olinda é Campeã do Desafio 3 Horas MTB de Altaneira – 2021 | ESPORTE

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 01 de dezembro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__

Com Informações do Blog de Altaneira (BA)

A equipe Nova Olinda Bikers sagrou-se a Melhor Equipe da sexta edição do Desafio 3 Horas MTB de Altaneira realizado na manhã do domingo, 28 de novembro, no circuito da Trilha Sítio Poças. A equipe contou com a participação de 8 ciclistas, sete homens e uma mulher, a vice-campeã Nynha Duarte.

Para efeito de contagem para definição da Melhor Equipe são computadas as pontuações dos ciclistas na Classificação Geral da Prova. Pontuaram para equipe Nova Olinda Bikers os seguintes ciclistas:

1 - Leonardo Pereira - 5º - 70 pontos;

2 - Eduardo Moura - 10º - 50 pontos;

3 - Arnaldo Lima - 11º - 47 pontos;

4 - Zé Batedor - 13º - 43 pontos;

5 - Fabiano Alencar - 29º - 12 pontos.

Não pontuaram para a equipe Renato Pereira, por usar camisa diferente dos demais participantes, Nynha Duarte e Mauricio Costa em virtude de que terminaram a prova em posições fora do limite de pontuação.

A equipe Nova Olinda Bikers é a quarta Campeã do Desafio 3 Horas MTB de Altaneira, a equipe Beto Ciclos ganhou em 2015 e 2016, o Pedal do Node ganhou em 2017 e o Pedal do Coco do Iguatu ganhou em 2018.

Confira a classificação das cinco principais equipes na sexta edição do Desafio 3 Horas MTB de Altaneira:

1) Nova Olinda Bikers - 222 pontos;

2) Curió Personal Team - 200 pontos;

3) Gilberto Silva Team - 200 pontos;

4) TSP/MegaSom - 188 pontos;

5) Pé Duros Bike Team - 132 pontos.

Além de troféu a Melhor Equipe ganha premiação no valor de R$ 1.500,00.

A cronometragem do Desafio mais uma vez ficou sob a responsabilidade da empresa Cronos Cariri, realizada através de chips e com Resultado publicado logo após a finalização da Prova. O público presente acompanhava a classificação em tempo real através de telão e ao final da competição os ciclistas receberam o resultado final através de mensagens eletrônicas.

O Desafio é organizado pela Associação dos Ciclistas de Altaneira (ACICA) e foi patrocinado pelo grupo MegaSom e contou com o apoio de empresários e profissionais liberais da região do Cariri e ainda dos deputados Genecias Noronha, Guilherme Landim e Idilvan Alencar.

O Desafio foi transmitido ao vivo pela página do MTB de Altaneira no Facebook e contou com uma boa participação de público, observadas as recomendações das autoridades sanitárias.

Clique aqui e confira a Classificação Geral da sexta edição do Desafio 3 Horas MTB de Altaneira

terça-feira, 30 de novembro de 2021

Dia Nacional da Consciência Negra – Leitura Poética: Refletir para Conscientizar | EDUCAÇÃO

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 30 de novembro de 2021 

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__ @escolawbf

Com Informações dos idealizadores do evento

E na segunda-feira (29), os Professores da área de Ciências Humanas - Professora Edisangela Sales de Araujo; Professora Márcia Talita de Morais Pereira; Professor Luis Jonivaldo Alves Silva Junior; Professora Cícera Silvana Nogueira dos Santos e Professora Expedita Alves do Nascimento - da Escola Estadual de Educação Profissional Wellington Belém de Figueiredo localizada no município de Nova Olinda-CE, celebraram o Dia Nacional da Consciência Negra com uma “Leitura Poética: Refletir para Conscientizar”.

Da esq. para dir - Expedita, Cicinha, Junior, Talita e Edisangela

A data é tradicionalmente celebrada no dia 20 de novembro e foi instituída oficialmente pela Lei nº 12.519 de 10 de novembro de 2011, uma referência à morte de Zumbi, o então líder do Quilombo dos Palmares – situado entre os Estados de Alagoas e Pernambuco, na Região Nordeste do Brasil.

Por que dia 20 de novembro?

Zumbi foi morto em 1695, na referida data, por bandeirantes liderados por Domingos Jorge Velho. A data de sua morte, descoberta por historiadores no início da década de 1970, motivou membros do Movimento Negro Unificado contra a Discriminação Racial, em um congresso realizado em São Paulo, no ano de 1978, a elegerem a figura de Zumbi como um símbolo da luta e resistência dos negros escravizados no Brasil, bem como da luta por direitos que os afro-brasileiros reivindicam. Com isso, o 20 de novembro tornou-se a data para celebrar e relembrar a luta dos negros contra a opressão no Brasil.

Professor e Músico Julio Soares

A metodologia utilizada entre as apresentações onde estudantes, professores e representante da gestão revezavam-se na leitura de textos poéticos foi proferida também por música e instrumental executado pelo Professor e Músico Julio Soares de Juazeiro do Norte-CE.

E os textos poéticos utilizados nesse evento e seus respectivos leitores foram:

AVANTE – Professor Junior;

TELEFONEMA DAS ESTRELAS – Salmaharraya - 1ºA;

PARTIDA PARA O CONTRATO – André Vieira – 1ºB;

KINAXIXI – Cicero Kaynan – 1ºD;

POEMA SALGADO – Fellype Kauê – 2ºA;

IDENTIDADE - Sofia - 1ºB;

INFÂNCIA - Samira - 1ºA;

PARA ALÉM DO DESESPERO – Coordenadora Escolar Ana Maria;

MÃE NEGRA – Kaiani Gonçalves – 2ºC;

ROSA NEGRA – Pedro Lucas – 1ºA;

NÓS SOMOS – Ana Cáren – 1ºB;

ANTI – DELAÇÃO – José Alexandre – 1ºD;

CANTA CAMARADA - Professor Guilherme;

MURMÚRIOS – Cícera Vitória – 2ºA;

O ECO DO PRANTO – Maria Geovana – 2ºD;

LÁ NO ÁGUA GRANDE – Professor Marcelo;

PAISAGEM – Professora Edisangela;

SE O MEU PESCADOR PESCASSE – Barbara Eduarda – 1ºA;

PRINCIPIA – Thalles – 3ºB;

NOVA LIRA – Laís Eduarda – 1ºA;

QUEM SOMOS – André Alencar – 1ºD;

O CHAPINHAR DO TEMPO – Professora Patrícia;

MORTE DESENRAIZADA - Alan - 2ºC;

INICIAÇÃO DO SER – Professora Andréia;

EU COMEDOR DE CATEDRAIS E MITOS – Andréia Vitória – 2ºC;

SONHO DE MÃE NEGRA – Stella Paiva – 2ºD;

BILHETE POSTAL – Bruna Hávilla – 2ºC;

A ILHA E O SEGREDO – Riquelmy Veloso – 1ºA;

SÃO NEGRO - David Beckham – 2ºD;

COMPANHEIROS – Professora Luciana.

Grazielle Ranara

As estudantes Grazielle Ranara Alves de Matos do Curso Técnico em Edificações-2ºD e Thais Olindrina de Lima Silva (Thais Teixeira) do Curso Técnico em Informática-2ºA, respectivamente Presidente e Vice-Presidente do Grêmio Estudantil Reinventar, conduziram o cerimonial do evento que se realizou no auditório. Ressaltando que o referido grêmio estudantil também esteve presente na realização do referido evento.

Thais Teixeira

Ainda sobre o dia 20 de novembro

A escolha do 20 de novembro aconteceu no contexto de declínio da Ditadura Militar (final da década de 1970 em diante) e de redemocratização do país. O enfraquecimento da ditadura deu força aos movimentos de oposição e aos movimentos sociais, como o movimento negro.

A figura de Zumbi dos Palmares é especialmente reivindicada pelo movimento negro como símbolo de todas essas conquistas, tanto que a lei que instituiu o Dia da Consciência Negra foi também fruto dessa reivindicação. O nome de Zumbi, inclusive, é sugerido nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana como personalidade a ser abordada nas aulas de ensino básico como exemplo da luta dos negros no Brasil.

Essa sugestão orienta-se por uma das determinações da Lei Nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que afirma o seguinte: “O conteúdo programático […] incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil”.

Assis Batista - Coordenador Escolar 

Com a redemocratização do Brasil e a promulgação da Constituição de 1988, vários segmentos da sociedade, inclusive os movimentos sociais, como o movimento negro, obtiveram maior espaço no âmbito das discussões e decisões políticas. A participação desses grupos no cenário político deu certo resultado, sendo aprovadas medidas que tinham como proposta promover certa reparação histórica.

Entre essas medidas, podemos destacar a lei de preconceito de raça ou cor (nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989) e leis como a de cotas raciais, voltada para a educação superior, e, especificamente na área da educação básica, a Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que instituiu a obrigatoriedade do ensino de história e cultura afro-brasileira. Essas legislações preveem certa reparação aos danos sofridos pela população negra na história do Brasil. Por trás dessas leis, estão as iniciativas para acabar com o apagamento que os negros e a história e cultura dos africanos sofreram no Brasil.

Lúcia Santana - Gestora Escolar 

O que o Dia da Consciência Negra representa?

Além das questões que envolvem Zumbi e o Quilombo dos Palmares, o Dia da Consciência Negra é uma data significativa, pois traz à luz questões importantes: o racismo e a desigualdade da sociedade brasileira. É uma data que relembra a luta dos africanos escravizados no passado e que reforça a importância da realização de novas lutas para tornar a nossa sociedade mais justa.

123ª Edição do Ubuntu TV | QUADRO DE ENTREVISTAS, GIRO DA SEMANA, UBUNTU NEWS e COLABORADORES

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 30 de novembro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__ @rlinosilva @caminhodoconhecimento.oficial

“Pisando no chão da escola há anos percebemos o quanto a atitude de ler é necessária para que o nosso aluno possua as condições de se manifestar socialmente”. Renata Lino

E na 123ª Edição do Ubuntu TV temos a participação em nosso QUADRO DE ENTREVISTAS, da Professora Renata Lino. É filha do casal de agricultores Pedro Lino da Silva e Francisca Cacilda da Silva. Reside em Santana do Cariri-CE e está professora na Escola Menezes Pimentel de Potengi-CE. É Especialista em Língua Portuguesa e Literaturas Brasileira e Africana pela Universidade Regional do Cariri-URCA. Ela é uma das idealizadoras do Projeto Biblioteca Caminho do Conhecimento junto da irmã Márcia Lino, do Francisco Martins, do Luiz Reginaldo e do José Reginaldo.

E no GIRO DA SEMANA:

Estudantes da EEEP Wellington Belém de Figueiredo são Destaques no Atletismo nos Jogos Escolares do Ceará | ETAPA REGIONAL

https://bit.ly/3p3ZtOX

Projeto BANCO MONETÁRIO da EEEP Wellington Belém de Figueiredo se classifica para a Etapa Estadual do CEARÁ CIENTÍFICO DIGITAL 2021

https://bit.ly/3DTvr73

Estudantes da Escola Profissional de Nova Olinda-CE registram presença de 97,67% no dia da Avaliação do Saeb 2021

https://bit.ly/3oZJPUP

Ainda no UBUNTU NEWS:

Questão do ENEM aborda o Documentário “O menino que fez um museu” que tem como protagonista o jovem Pedro Lucas Feitosa

https://bit.ly/3nQBxPJ

Aos nossos COLABORADORES,

Gratidão aos nossos patrocinadores/colaboradores que apoiam esta iniciativa de cunho Educacional/Cultural. Aos que desejarem também apoiar as nossas edições em vídeo entrem em contato pelo (88) 9 9964 3918 (WhatsApp).

sexta-feira, 26 de novembro de 2021

Aniversário de Matrimônio do Casal Maria Aglae de Araujo Macedo & Cicero Ricardo Matias de Macedo

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 26 de novembro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__

Escreveu Maria Aglae de Araujo Macedo:

Dia 26 de novembro de 2005 foi realizado o nosso casamento. Estamos comemorando nesta data 16 anos de casados. Deus nos uniu pra vivemos um para o outro e ambos pra Deus. Em cantares de Salomão cap. 8 vers. 7 diz: As muitas águas não poderiam apagar esse amor, nem os rios afogá-los; ainda que desse alguém todos os bens de sua casa por esse amor; certamente os desprezariam. Da nossa união temos um filho, Ricardo Ellyezer Araujo Macedo, com 14 anos. Fruto de um amor blindado por Deus.

quinta-feira, 25 de novembro de 2021

Parabenizo o Professor Ravel Moreira, meu ex-aluno, que vai realizar o sonho de cursar Biologia | EDUCAÇÃO

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 25 de novembro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__ @ravel_moreira

Hoje o final do expediente na escola onde trabalho foi bem diferente e motivador! Depois de um dia de realizações e muito produtivo fui surpreendida por uma mensagem nas redes sociais postada pelo Professor Ravel Moreira, meu ex-aluno. Li a mensagem com bastante atenção e fui tomada de emoção! Ao Ravel quero desejar prosperidade e que Deus abençoe seus caminhos! Gratidão pelo reconhecimento!

Confira o depoimento do Professor Ravel Moreira

Ao terminar o ensino médio em 2007 prestei vestibular para Biologia na URCA, infelizmente não passei e fiquei nos classificáveis, eram 40 vagas e fiquei na colocação de 44. Mesmo com chances de entrar não fui para a chamada, e por incrível que pareça entrou o candidato de número 99. Putz, pensei o quanto fui criança em não ter ido, pois só queria ir se tivesse passado entre os 40. No ano seguinte aconteceu da mesma forma, e o pensamento ainda permanecia o mesmo. Desisti e não fui... na chamada dos classificáveis estava lá de novo. Porém como não fui perdi a vaga. Mas tudo tem um propósito, fui embora, trabalhei, voltei ao meu lugar e decidi estudar, pois era o sonho dos meus pais, decidi fazer Educação Física, pois gosto muito da prática de atividade física, e queria ser o professor que não tive durante minha vida de estudante, do ensino fundamental ao médio. Fiz vestibular, passei, terminei, hoje trabalho na minha área do qual tenho maior orgulho em dizer que sou formado em educação física. Mas o sonho de ser biólogo nunca morreu, isso porque tive dois professores que fizeram eu ter essa paixão pela biologia, que são eles Clodovanio Silva e Lucélia Muniz França . Dois professores que tenho orgulho até hoje. Minha gratidão a vocês, dizer o quanto foi gratificante ser aluno de vocês. E hoje realizo esse sonho em começar a cursar Biologia. Gratidão Deus por tudo.

Lançamento do livro “Liberdade entre Muros” no Instituto Cultural do Cariri (ICC), de autoria de educadoras do CEJA e estudantes internas na Cadeia Pública Feminina de Crato-Ceará

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 25 de novembro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__ @crede18.crato

Via Facebook da CREDE 18

A liberdade entre muros de afetos e resistência. O ICC lança livro de memórias femininas como uma reflexão humanista de enfrentamentos.

O Instituto Cultural do Cariri promove nesta sexta-feira (26) o lançamento do livro “Liberdade entre Muros”. A publicação é resultante da premiação no Edital de Fomento à Cultura e Arte Cratense da Secretaria de Cultura do Crato, um livro de memórias, cuja autoria é dividida entre escritoras do Instituto Cultural do Cariri (ICC), educadoras do CEJA/Crato e mulheres privadas de liberdade da Cadeia Pública Feminina do município do Crato, participantes do Projeto Livro Aberto (parceria SAP - SEDUC).

A ideia deste livro surgiu da junção de dois conceitos: Literatura e Cidadania, protagonizadas por mulheres. De um lado do muro, estão as escritoras privadas de liberdade; do outro, as que moram pelo Cariri afora, cada uma com sua narrativa, unidas pela literatura.

Segundo a organizadora do livro, a escritora e membro do ICC, Fabiana Gomes Vieira, poder contribuir com esta antologia é motivo de honra e gratidão por estar com este grupo de mulheres tão especiais. “Gratidão por partilhar narrativas literárias, com temáticas comuns ao cotidiano feminino, que se efetivam em elementos de crescimento da autoestima e do enriquecimento pessoal, pela leitura reflexiva da nossa própria prática individual e da experiência coletiva”, afirma.

As histórias reunidas buscam refletir sobre a necessidade de enfrentamento sobre as relações de poder e domínio, historicamente constituídas, pelos homens sobre as mulheres. Na noite de lançamento do livro a apresentação ficará a cargo do juiz de direito, escritor e membro do ICC Dr José Flávio Bezerra de Morais, que é licenciado em Letras, com especialização em Literatura Brasileira.

SERVIÇO

Lançamento do livro “Liberdade entre Muros”

Dia: 26 de novembro de 2021 - 19h

Local: Instituto Cultural do Cariri

Av. Maildes de Siqueira, S/N

Em frente ao Parque de Exposições Agropecuárias Pedro Felício Cavalcanti – ExpoCrato. Crato – CE

Professor Luiz Guilherme Brito Petrola Bastos comenta o Tema da Redação do ENEM 2021 | EDUCAÇÃO

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 25 de novembro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__ @escolawbf   @guipetrola

Luiz Guilherme Brito Petrola Bastos é Professor de Língua Portuguesa e Redação da Escola Wellington Belém de Figueiredo localizada em Nova Olinda-CE. Formado em Letras pela Universidade Regional do Cariri-URCA; Pós-graduando em Tradutores e Intérprete em Libras pela FACULMINAS; Formador do Foco na Aprendizagem 2021 pela CREDE 18.

A Redação do Ubuntu Notícias entrou em contato dando uma sugestão de pauta onde o mesmo comentasse o Tema da Redação do ENEM 2021. Esta é a segunda vez que o Professor Guilherme aceita o nosso convite e presenteia a todos com uma análise enriquecedora.

Vamos a análise feita pelo Professor Guilherme

A proposta de redação do Enem 2021 foi: “Invisibilidade e registro civil: garantida de acesso à cidadania no Brasil”. Como em todos os anos, o tema divide opiniões entre os participantes, uma vez que alguns candidatos relataram dificuldade em produzir o texto.

A princípio, percebe-se a necessidade de discussão sobre a temática, uma vez que, de acordo com uma pesquisa realizada pelo IBGE, em 2015, cerca de três milhões de pessoas vivem sem registro civil. Sendo assim, tais indivíduos são “invisíveis” para o Estado, não podendo exercer seus deveres, muito menos desfrutar de seus direitos.

Tal situação se tornou ainda mais complicada durante a pandemia, quando o Governo lançou o programa “Auxílio Emergencial”, devido à falta de documentos básicos, como o registro civil, muitos deixaram de receber o recurso financeiro. Além disso, um cidadão que não possui certidão de nascimento deixa de contribuir para a democracia do país, tendo em vista que ele não pode votar. Um ponto bastante curioso, segundo a tabeliã Ana Nívea Gonçalves, é que essa situação gera um “efeito bola de neve”, pois caso um indivíduo não seja registrado civilmente, poderá afetar na emissão da documentação de seus filhos.

O tema seria abordado de maneira adequada a partir da articulação entre o conceito de invisibilidade social e o direito ao registro civil para, em seguida, reconhecê-lo como o meio pelo qual assegura-se a cidadania ao indivíduo e, logo, seus direitos civis. Para reforçar a discussão, foi oferecida uma coletânea com 4 textos de diferentes fontes e gêneros discursivos, cuja interpretação auxiliou o candidato a situar-se em relação aos conceitos-chave da frase-tema.

O primeiro texto tratava-se de um trabalho acadêmico de Fernanda da Escóssia intitulado Invisíveis: uma etnografia sobre identidade, direitos e cidadania nas trajetórias de brasileiros sem documento e que deu origem ao livro recém–lançado “Invisíveis – Uma etnografia sobre Brasileiros sem Documento”, editora FGV. O trecho do artigo trazia informações sobre jovens, velhos e crianças em busca de sua documentação e que, ao serem entrevistados, revelavam vergonha e consideravam-se alijados por não serem reconhecidos pelo estado.

O segundo texto dava conta de que a Lei 9534/1997 que garante a gratuidade do registro civil e que não é plenamente cumprida, visto que muitas pessoas não têm certidão de nascimento no Brasil. Havia ainda um mapa da invisibilidade no Brasil com estimativas de quantas pessoas não têm esse registro em cada região, com destaque para o dado de que são 898 mil no Nordeste e 1,15 milhão no Sudeste.

O terceiro texto mostrava os benefícios de se ter o registro civil como a possibilidade de ter carteira de vacinação, dentre outros direitos.

O quarto texto trazia a imagem de um quadro preto e, no canto, uma menina sobreposta por digitais com a frase “Defensoras e defensores públicos pelo direito à documentação pessoal”, que integrou a campanha nacional da entidade em 2018.

No que diz respeito ao repertório sociocultural, abordado pela competência II pela banca FGV, os participantes poderiam utilizar a obra “Capitães de Areia”, do escritor Jorge Amado, uma vez que o autor aborda personagens sem nome como, representando aqui brasileiros não documentados. Outra sugestão seria o personagem Severino, na obra “Morte e Vida Severina”, do autor João Cabral de Melo Neto, que recebeu o nome de seus pais como sobrenome, dado sua existência limitada.

Alguns atores da esfera governamental, principalmente do âmbito jurídico, poderiam ser utilizados na redação como agentes da proposta de intervenção:  as Defensorias Públicas Estaduais (citadas no texto 4) e o Ministério Público, por exemplo, por terem papel de assistência jurídica. O Ministério da Justiça, que pode promover campanhas e mutirões para identificar e orientar essas pessoas e, também, os Cartórios de Registro, que são entidades de caráter privado as quais constituem atividades de serviço público.  

O aluno também poderia mobilizar o terceiro setor como parte de sua proposta de intervenção ao indicar, por exemplo, a atuação de Organizações não Governamentais como é o caso da iniciativa SP Invisível, que apoia parcelas da população em situação de vulnerabilidade visando minimizar a invisibilidade ocasionada, muitas das vezes, pela falta de documentos. 

Para encerrar, deixo aqui meus sinceros votos de que nossos estudantes consigam bons resultados e consigam sua tão sonhada vaga na faculdade. Sabendo que a prova do Enem 2021 foi realizada ainda num período de transição da pandemia do Covid-19, é necessário reconhecer a força de vontade dos discentes em se submeter ao exame.

Estudantes da Escola Profissional de Nova Olinda-CE registram presença de 97,67% no dia da Avaliação do Saeb 2021 | EDUCAÇÃO

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 25 de novembro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__

O Sistema de Avaliação da Educação Básica-Saeb 2021 avalia de forma censitária os alunos das escolas públicas de 5º e 9º ano do ensino fundamental e de 3ª série do ensino médio. Essas mesmas etapas da educação básica são avaliadas em formato amostral, nas escolas privadas. Além de responderem ao questionário, os estudantes também fazem testes de Língua Portuguesa e Matemática.

A aplicação da Avaliação começou no dia 8 de novembro e a previsão é que cerca de 6,8 milhões de alunos sejam avaliados até 10 de dezembro, conforme agendamento, seguindo os protocolos de biossegurança preconizados para prevenção à Covid-19.

A aplicação da avaliação ocorre em horário regular de aula para 254.744 turmas de 116.244 escolas, distribuídas entre os 5.570 municípios brasileiros.

Como medida de prevenção à Covid-19, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), recomenda que as escolas suspendam as aulas das turmas que não participarão do Saeb, no dia da avaliação, a fim de disponibilizar mais salas para a aplicação e garantir o distanciamento social.

Também existe a possibilidade de dividir em dois grupos as turmas avaliadas para manter o distanciamento entre as pessoas nas salas de aplicação. No caso das escolas que conseguem garantir uma aplicação com segurança sanitária sem dividir as turmas, esse procedimento é autorizado pelo Instituto. O uso de máscara, cobrindo nariz e boca é obrigatório durante toda a avaliação, tanto para os alunos quanto para os aplicadores.

As informações citadas anteriormente foram obtidas conforme matéria do site do Ministério da Educação-MEC.

E nesta quinta-feira (25), os estudantes da Escola Estadual de Educação Profissional Wellington Belém de Figueiredo da 18ª CREDE localizada no município de Nova Olinda garantiram 97,67% de participação, sendo as faltas justificadas.

Os estudantes das Turmas dos 3º anos dos Cursos Técnicos em Agronegócio, Edificações, Finanças e Redes de Computadores da referida instituição de ensino fizeram o Saeb 2021. A parceria entre gestão, professores, funcionários da escola, família e estudantes, garantiu a realização deste dia.

"Toda conquista começa com a decisão de tentar". Vocês nos encheram de orgulho hoje! Parabéns pela participação espetacular!”, disse a Professora Lúcia Santana, Gestora Escolar.

No grupo do WhatsApp da Turma do Curso Técnico em Redes de Computadores, o Professor Coordenador do Curso, Cláudio Luan Freire Façanha, deixou uma mensagem para a turma do 3º ano:

“Lembrei bem de uma mensagem que utilizamos bastante desde o primeiro ano e era sempre falada nas reuniões: “Não ficará nenhum para trás, sempre iremos caminhar juntos.” Essa mensagem foi o que incentivou a união desta turma e que fez a cada dia vocês se ajudarem em sala cuidando um do outro, tivemos alguns colegas que buscaram outros horizontes, mas a vida segue e temos escolhas”, destacou o professor em um dos trechos da mensagem.

A gestão da EEEP Wellington Belém de Figueiredo é formada pelos professores: Lúcia Santana (Gestora Escolar); Ana Maria (Coordenadora Escolar), Assis Batista (Coordenador Escolar); Liliane Feitosa (Coordenadora de Estágio); Sonia Duarte (Secretária Escolar) e Janaína Fenelon (Assessora Administrativo-Financeiro).

Os Professores Diretores de Turma dos 3º anos são:

- Curso Técnico em Agronegócio: Professora Daiane Custódio Pereira;

- Curso Técnico em Edificações: Professora Patrícia Moreira de Alcantara;

- Curso Técnico em Finanças: Professora Cícera Silvana Nogueira dos Santos;

- E Curso Técnico em Redes de Computadores: Professor Flavio Araujo Diniz.

Os referidos cursos ainda contam com um professor coordenador e um professor orientador de estágio:

- Curso Técnico em Agronegócio:

Professora Coordenadora/Vanessa Oliveira Teles Simião;

Professor Orientador de Estágio/Juscelino Martins Costa Junior.

- Curso Técnico em Edificações:

Professor Coordenador/Francinaldo Lopes dos Santos;

Professora Orientadora de Estágio/Monalisa Vanderley Gonçalves.

- Curso Técnico em Finanças:

Professor Coordenador/Renan Diniz Araujo;

Professor Orientador de Estágio/José Adevanilton da Silva.

- E Curso Técnico em Redes de Computadores:

Professor Coordenador/Cláudio Luan Freire Façanha;

Professor Orientador de Estágio/Francisco Sandro Elias Porfírio.

Concluo esta matéria deixando uma frase aos estudantes das turmas de 3º ano que vão obter certificação do ensino médio e de uma formação técnica este ano: “Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós”.