Ubuntu Notícias

Administradora Lucélia Muniz

Nova Olinda-CE

Meu chão cearense

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Ubuntu Notícias Oferecimento

Confira os nossos Patrocinadores

Anuncie com a gente

Marketing Digital

domingo, 9 de dezembro de 2018

Sobre as chuvas no nosso Sertão!

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 09 de dezembro de 2018
Há muito que não chovia
Açudes secos estavam
Nem os pássaros cantavam
Era grande a agonia
O sertanejo sofria
Buscava sobreviver
E procurava manter
A sua alimentação
Basta chover no sertão
Pra jurema enverdecer.
José Roberto Morais
Agora que está chovendo
No sertão do Cariri
Molhando os pés de pequi
E o sertanejo prevendo
Em março estará comendo
Todo tipo de legume
Sem todo aquele secume
Sempre de barriga cheia
Sem olhar pra roça alheia
No céu, muito vagalume.
Sandro Cidrão

sábado, 8 de dezembro de 2018

Ceará aprova medida para garantir liberdade de professores

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 08 de dezembro de 2018
Via Governo do Estado do Ceará
O Plenário do Conselho Estadual de Educação (CEE) aprovou na terça-feira (4), por unanimidade, a resolução que garante a liberdade de expressão e de pensamento do professor no exercício da docência nas escolas de educação básica e nas universidades integrantes do Sistema de Ensino do Estado do Ceará.

A decisão utiliza como base os princípios da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que assegura o direito de liberdade de expressão e emissão de opiniões no âmbito da educação pública, repudiando assim qualquer tentativa de intimidação e ameaça aos profissionais por conta do conteúdo de suas aulas.

A determinação também proíbe a realização de ações e manifestações que configurem a prática de intolerância, promoção de atividades político-partidárias, além de proibir qualquer integrante da comunidade escolar de filmar, fotografar ou gravar aulas ou qualquer manifestação de pensamento para fins de violação de direitos.

Um dos conselheiros que assina o documento, o presidente da Câmara de Educação Superior e Profissional (CESP), Custódio Luis Silva de Almeida, explica que a resolução tornou-se necessária devido ao contexto nacional de ataques públicos aos professores pelas ideias expostas em sala de aula. Foi elaborada assim a proposta de resolução, levada ao plenário e aprovada com o apoio de todos os membros.

“O Conselho tem recebido manifestações de professores de diferentes escolas do Estado do Ceará se sentindo acuados e ameaçados pela expressão de ideias e opiniões em sala de aula. Por conta disso, dentro de uma realidade de policiamento e de intolerância, resolvemos resgatar princípios constitucionais que garantem ao professor livre expressão de ideias dentro da sala de aula.

Foi uma decisão de caráter pedagógico para retomar princípios constitucionais. Queremos que os professores fiquem tranquilos e continuem a exercer o seu trabalho com criticidade, sem receio de serem punidos por se expressarem”, afirma.

Custódio enfatiza que o ambiente escolar não é “lugar de promoção de atividades político-partidárias” e por isso há o ponto que impede o uso dos equipamentos para filmar professores no exercício de suas opiniões, com o objetivo de censurá-lo por divergências de pensamento. Ele também destaca que um dos pontos-chave da resolução é assegurar o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas na docência, priorizando o debate de ideias e respeito às opiniões divergentes.

“Queremos que haja ampla divulgação desta resolução, para que todos os professores das redes, universidades, possam tomar conhecimento e saber que o conselho está do lado deles. É uma posição clara sobre a livre expressão. O espaço da sala de aula deve ser um espaço crítico, para formação e elaboração de uma diversidade de ideias. Que todos se sintam confortáveis a organizar suas aulas e desenvolverem seus pensamentos.”

O Conselho deixa claro na resolução que, caso os professores se sintam desrespeitados ou agredidos na manifestação de ideias, deverão procurar a administração superior da instituição, para que sejam tomadas as devidas providências em defesa dos educadores.

A educação por um triz por Nicolau Neto

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 08 de dezembro de 2018
Por Nicolau Neto
Professor; palestrante na área da Educação com temas relacionados a história e cultura africana e afrodescendente, desigualdades raciais, preconceito racial, diversidade e relações étnico-raciais; ativista dos direitos civis e humanos das populações negras; membro do Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec); membro da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe (ALB/Araripe); servidor público no município de Altaneira, diretor vice-presidente da Rádio Comunitária Altaneira FM e administrador/editor do Blog Negro Nicolau (BNN).
Se eu lhe perguntar qual o melhor caminho para a transformação social, para a construção de um lugar onde haja comida e bebida para todos, você me dirá que é a educação.

Um dos maiores pensadores do Brasil já alertava para esse fato. Paulo Freire dizia “Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda”. Ele sabia bem da importância dela para a vida, para o ato de cidadania. Afinal, não basta só ter acesso à educação. É preciso permanecer nela. Mas é muito pouco só permanecer na escola, na universidade. É fundamental que haja aprendizado e que este seja uma arma contra a tirania, contra os ditadores e contra os falsos democratas. É fato que para que isso aconteça aquele ou aquela que tem o poder de transmitir os “saberes” também tenha esse desejo.

É sabido que educar para a cidadania e para a politização é educar para a vida. É acima de tudo um dever social, pois garante que o educando seja agente transformador da sua própria história. Mas também é sabido que essa tem sido a tarefa mais árdua e difícil de se construir por vários motivos. O principal deles porque temos uma elite governante (a grande maioria) que não está preocupada com isso. Não é satisfatório para quem está no poder ter mentes pensantes. Recorro mais uma vez a Paulo Freire que afirmava “seria uma atitude ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que proporcionasse às classes dominadas perceber as injustiças sociais de maneira crítica”.

As palavras de Freire ganham cada vez mais força diante de um cenário triste em que o Brasil passa, principalmente na educação. Primeiro a possibilidade já anunciada por Temer de acabar com a obrigatoriedade constitucional de se gastar com Educação 18% da receita resultante de impostos; em segundo lugar, some-se a isso a ideia de se acabar com todas as políticas públicas que fortalecem o acesso à educação a grupo que sempre lhes foram negadas oportunidades como negros e indígenas. Aqui, a ideia é acabar com o sistema de cotas e impedir que o Brasil seja de fato o que é, um país predominantemente negro; cortes nos investimentos nas universidades; Em terceiro, o governo não quer quem pesquisa; Quarto, suspendeu as novas vagas para o Pronatec, ProUni e Fies e a última ideia repugnante quer acabar com os programas que tem como finalidade reduzir o analfabetismo.

Por fim, o presidente eleito em outubro último é uma versão piorada do que ai está.

Pensem em um adjetivo para quem destrói a educação pública. Pensaram? Então lhes apresento Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (PSL). A educação está por um triz.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

BNCC Competência 5 -Cultura Digital

Lucélia Muniz 
Ubuntu Notícias, 07 de dezembro de 2018

Roseli Brito
Pedagoga - Psicopedagoga - Neuroeducadora e Coach

Competência 5: Cultura Digital
O que a BNCC diz:
Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.

Esclarecendo a competência: 
Ela reconhece o papel fundamental da tecnologia e estabelece que o estudante deve dominar o universo digital, sendo capaz, portanto, de fazer um uso qualificado e ético das diversas ferramentas existentes e de compreender o pensamento computacional e os impactos da tecnologia na vida das pessoas e da sociedade.

Áreas que mais contribuem para seu aprendizado: Todas.

O que os alunos precisam desenvolver (até o fim do Fundamental): 
- Utilização de ferramentas digitais: precisam ser capazes de usar ferramentas multimídia e periféricos para aprender e produzir.
- Produção multimídia: utilizar recursos tecnológicos para desenhar, desenvolver, publicar e apresentar produtos (como páginas de web, aplicativos móveis e animações, por exemplo) para demonstrar conhecimentos e resolver problemas.
- Linguagens de programação: usar linguagens de programação para solucionar problemas. Domínio de algoritmos: compreender e escrever algoritmos, utilizar os passos básicos da solução de problemas por algoritmo para resolver questões.
- Domínio de algoritmos: compreender e escrever algoritmos, utilizar os passos básicos da solução de problemas por algoritmo para resolver questões.
- Visualização e análise de dados: interpretar e representar dados de diversas maneiras, inclusive em textos, sons, imagens e números.
- Mundo digital: entender o impacto das tecnologias na vida das pessoas e na sociedade, incluindo nas relações sociais, culturais e comerciais.
- Uso ético: utilizar tecnologias, mídias e dispositivos de comunicação modernos de maneira ética, sendo capaz de comparar comportamentos adequados e inadequados.

Como relacionar essa competência às habilidades para planejar aulas?
Atualmente, a falta de acesso e o uso limitado das tecnologias ampliam as desigualdades. Afinal, quem sabe usá-las está mais preparado para os desafios do mundo.

Por isso, priorizou-se a inclusão de uma competência geral que aponta para o domínio desse universo e aparece transversalizada em habilidades de todos os componentes curriculares.

As escolas precisam assegurar a infraestrutura. Para os professores, fica a tarefa de qualificar o uso para que os alunos façam o melhor proveito desses recursos.

Em Linguagens, a tecnologia pode ser utilizada em Artes como ferramenta para elaborar trabalhos artísticos em vídeos e outras plataformas. Em Língua Portuguesa e Inglesa, recomendam-se as produções multimídia pra aplicar os conhecimentos adquiridos.

Em Ciências da Natureza, ela surge como instrumento para investigar e também como meio de produzir informações e conhecimento. A contribuição da Matemática relaciona-se ao pensamento computacional ou à capacidade de se entender a lógica da programação, de como funcionam os algoritmos.

Ciências Humanas colabora com o entendimento e o debate sobre o mundo digital. É nessa área que entram as discussões sobre os impactos da tecnologia no ser humano e na sociedade: como ela influencia comportamentos, provoca conflitos, modifica e cria culturas? O que é adequado e ético e o que não é?

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

IV Feira de Empreendedorismo da escola profissional de Nova Olinda atrai visitantes e faz homenagem a mestre da cultura popular

Lucélia Muniz 
Ubuntu Notícias, 06 de dezembro de 2018 
Na tarde da quarta-feira (05), a EEEP Wellington Belém de Figueiredo recebeu visitantes e o homenageado da IV Feira de Empreendedorismo – FEEP 2018. Uma atividade realizada anualmente como resultado oriundo da disciplina de Empreendedorismo que este ano tem como responsável o Professor Jhon Wille.

Cada turma de 1º ano ficou responsável para desenvolver uma atividade empreendedora e assim estar ofertando seus produtos e serviços na referida feira que também contou com os estandes de algumas empresas, tal como, Clone Gráfica Rápida e Papelaria, Ótica Imperial, Fotocópia Soluções Inteligentes, Drika Cosmecteria, Ritos, dentre outros.

A abertura da feira se deu com a homenagem ao Mestre da Cultura Popular, o cearense Espedito Seleiro. Ele que aproveitou para motivar os alunos falando da importância de se estudar e também participou de uma roda de conversa com estudantes. Quando indagado por uma estudante sobre o segredo para o seu sucesso, o mesmo disse: “É tratar todo mundo igual sem distinção de cor e DNA!”. Ele que já implacou a marca Espedito Seleiro internacionalmente.

Foi das mãos do Professor Jhon Wille que o Mestre Espedito Seleiro recebeu uma placa feita na pedra cariri com sua imagem como homenagem da escola profissional – arte do Artesanato em Pedra Cariri de Nova Olinda.

A feira ainda contou com a visita de nova-olindenses e pessoas das cidades vizinhas contando com a presença de algumas autoridades: o Diretor Escolar Tiago Soares da Escola Adrião do Vale Nuvens, a Vereadora Lourdes da Saúde, a Secretária de Cultura Wyldiane Sampaio, Ypsilon Felix, a Artesã Graça de Souza.

Os alunos sentiram a experiência de organizar a produção, conferir os estoques, fazer a divulgação de suas lojas e de seus produtos e por fim realizarem as vendas. Durante a feira, os visitantes poderiam adquirir a moeda corrente feita para o evento, os FEEPs na chamada “casa de câmbio”.

Quem esteve na feira garante que foi um sucesso! Mesmo no finalzinho, o público se manteve na escola para assistir ao desfile de roupas com os alunos trajando vestimentas das lojas que patrocinaram o evento.

Sobre a feira fica claro que teoria seguida de prática possibilita mais aprendizado e os resultados vem na concretização do planejamento da atividade. Parabenizo os alunos envolvidos na IV Feira de Empreendedorismo e o Professor Jhon Wille pelo empenho e dedicação! 

BNCC - Competência 4 Comunicação

Lucélia Muniz 
Ubuntu Notícias, 06 de dezembro de 2018 
Por Roseli Brito 
Pedagoga - Psicopedagoga - Neuroeducadora e Coach
Competência 4: Comunicação
O que a BNCC diz 
Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital –, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.

Esclarecendo a competência 
Aponta que, para se comunicar bem, crianças e jovens necessitam entender, analisar criticamente e saber se expressar utilizando uma variedade de linguagens e plataformas. Enfatiza a importância de que a comunicação ocorra por meio da escuta e do diálogo. 

Áreas que mais contribuem para seu aprendizado 
Linguagens e Ciências Humanas.

O que os alunos precisam desenvolver (até o fim do Fundamental) 
- Escuta: necessitam ser capazes de ouvir outras pessoas com atenção, interesse e respeito por suas ideias e sentimentos.
- Expressão: expressar ideias, opiniões, emoções e sentimentos com clareza. Ser capaz de desenvolver aspectos retóricos de comunicação verbal.
- Discussão: apresentar ideias originais com clareza e as conectar com as colocações de outras pessoas para buscar o entendimento mútuo. Conseguir formular perguntas e respostas para avançar em discussões coletivas.
- Multiletramento: comunicar-se por meio de linguagens verbais, textuais, corporais, artísticas e científicas, utilizando plataformas multimídia analógicas e digitais.
- Contextualização sociocultural do conhecimento: compartilhar informações e construir coletivamente o conhecimento. Compreender e respeitar o contexto sociocultural em que os saberes são constituídos.

Como relacionar essa competência às habilidades para planejar aulas?
Aqui a conexão com Linguagens é óbvia. Todas as habilidades previstas nos componentes curriculares da área (Língua Portuguesa, Artes, Educação Física e Língua Inglesa) promovem o desenvolvimento da escrita, leitura, da expressão corporal e artística e podem ajudar o aluno a entender e utilizar as várias linguagens, mídias e plataformas para se comunicar.

Não dá para deixar a tecnologia de fora, pois às maneiras tradicionais de comunicação somam-se as do mundo digital: redes sociais, blog, youtube etc. Tudo isso já está na vida de crianças e jovens, cabe à escola qualificar o uso.

A competência abrange a capacidade de escuta e diálogo para promover entendimento mútuo. Por isso necessita estar em Ciências Humanas também.

Ao abordar os grandes conflitos históricos, por exemplo, o professor pode debater com os estudantes o quanto esses fatos estão relacionados com problemas de comunicação, da incapacidade de interagir e compreender o outro.

Mas, para além das discussões em aula, crianças e jovens necessitam exercer essa capacidade no cotidiano. Por isso, a promoção da escuta e do diálogo deve estar entre os princípios que regem a prática da escola.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

BNCC - Competência 3 Repertorio Cultural

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 04 de dezembro de 2018
Por Roseli Brito
Pedagoga - Psicopedagoga - Neuroeducadora e Coach
Competência 3: Repertório Cultural
O que a BNCC diz 
Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.

Esclarecendo a competência:
Estabelece como fundamental que os alunos conheçam, compreendam e reconheçam a importância das mais diversas manifestações artísticas e culturais. E acrescenta que eles devem ser participativos, sendo capazes de se expressar e atuar por meio das artes.

Áreas que mais contribuem para seu aprendizado 
Linguagens e Ciências Humanas.

O que os alunos precisam desenvolver (até o fim do Fundamental):
- Fruição: vivenciar sua identidade, comunidade e cultura e demonstrar sentimento de pertencimento, por meio de experiências artísticas e explorando relações entre culturas, sociedades e as artes.
- Expressão: expressar sentimentos, ideias, histórias e experiências por meio das artes. Documentar, compartilhar e analisar obras criativas.
- Investigação e identidade cultural: reconhecer e discutir o significado de eventos e manifestações culturais e da influência da cultura na formação de grupos e identidades.
- Consciência multicultural: desenvolver senso de identidade individual e cultural e demonstrar curiosidade, compreensão e respeito com diferentes culturas e visões de mundo. 
- Respeito à diversidade cultural: experimentar diferentes vivências culturais e compreender a importância de valorizar identidades, tradições, manifestações, trocas e colaborações culturais diversas.
Mediação da diversidade cultural: reconhecer os desafios e benefícios de se viver e trabalhar em sociedades culturalmente diversas e explorar novas formas de reconciliar valores e perspectivas culturais diferentes ao abordar desafios em comum.

Como relacionar essa competência às habilidades para planejar aulas?
Dentro de Linguagens, o professor de Artes vai colaborar para a turma dar conta dessa competência ao possibilitar a fruição de manifestações plurais e estimular os alunos a se expressarem artisticamente por meio dos diversos ramos das artes.

Ao docente de Educação Física, cabe apresentar o repertório cultural que passa pelo corpo. Isso pode ser feito ao contextualizar a origem cultural das atividades trabalhadas, como nos eixos da dança e das lutas, por exemplo.

Ao estudar Línguas (Portuguesa e Inglesa), crianças e jovens necessitam entender quanto uma língua carrega e transmite características da cultura.

Em Ciências Humanas, o caminho é mostrar, a partir da História e da Geografia, como a identidade dos estudantes, enquanto brasileiros e em suas particularidades regionais é influenciada pela cultura. E também apresentar e valorizar a diversidade cultural de outros povos.

Vidas Partidas - filme narra caso chocante de violência doméstica no Brasil

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 04 de dezembro de 2018
Vidas Partidas, é um longa-metragem de aproximadamente 90 minutos, que conta a história do casal Graça e Raul, que ao se apaixonarem perdidamente, num Brasil da década de 80, casam-se e tornam-se pais de duas meninas. Os dois possuem uma relação ardente, onde há uma simbiose existencial provocada por alta passionalidade. Tudo vai bem, até que Graça avança em sua carreira, ficando Raul desempregado. Para não desequilibrar o relacionamento, Graça pede um favor a um amigo e ex-marido, que secretamente indica Raul a uma vaga de professor na Universidade, garantindo a ele um emprego. Ao igualar-se financeiramente a Graça, Raul, gradativamente torna-se agressivo, tratando-a cada vez com mais possessividade. As cenas de ciúmes tornam-se frequentes e começam as agressões físicas e psicológicas, resultando num crime de violência doméstica. O filme é livremente inspirado nas alarmantes estatísticas de crimes praticados contra a mulher no Brasil e no mundo.

Trailer do filme

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

PESSOAS SÃO ESTRELAS!!!

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 04 de dezembro de 2018
Existem pessoas que são como as estrelas
Elas entram na nossa vida
E apossam-se do nosso céu.
Elas decidem ficar brilhando
Iluminando nossos caminhos.
Formam belas constelações
E ficam no espaço de nossa mente
Ou no nosso coração.
Ao chegarem, decidem fixar-se
Mostrando luminosidade.
Enchendo nosso coração de amor
Um amor iluminado
Com raios afetivos e tocantes.
Os raios trazem emoções
As emoções são compostas
De risos e gargalhadas
Os raios muitas vezes nos tocam
E nós ficamos encantados
Olhando as constelações.
Realmente, pessoas são estrelas
E nascem para brilhar.

José Roberto Morais Silva
Cadeira 22 da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE

domingo, 2 de dezembro de 2018

Primeira homenagem recebida em meu município como acadêmica da ALB/Seccional Araripe-CE

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 02 de dezembro de 2018
Dentro da Programação do III Banquete Literário realizado na EEEP Wellington Belém de Figueiredo recebi minha primeira homenagem enquanto acadêmica da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE.
Na sexta-feira, 30 de novembro, no turno da manhã no auditório da referida instituição de ensino fui convidada para registrar as atividades do III Banquete Literário que tem como coordenadora, a Professora Luciana França, regente da Biblioteca. Todo ano, os alunos escolhem um autor/escritor/poeta para homenageá-lo conforme sua obra. A homenagem se dá na forma artística, seja música, canto, conto, poesia, etc.
Desta vez o homenageado foi Geraldo Urano. Ele nasceu em Crato, no dia 10 de junho de 1953. Na década de 1970 participou dos Festivais Regionais da Canção, onde se celebrizou pelas suas performances vanguardistas, rompendo com o padrão tradicional de participação nesse tipo de evento. Produção fermentada no bojo do fenômeno que ficou conhecido Geração Mimeógrafo, movimento literário nascido na década de 70, no Rio de Janeiro.
Rosemberg Cariry, companheiro nos movimentos artísticos caririenses nas décadas de 1970 e 1980 faz uma definição aproximada da poesia de Geraldo Urano:
“A partir do Cariri, terra marcada pelas unhas da história, a poética de Geraldo Urano criou asas, rompeu cercas, ganhou o mundo, ensaiou o seu projeto de universalidade. [...] na beleza dos seus versos estão os países, as cores dos povos, a semeadura do sonho, a busca da paz, a canção de amor. A poesia de Geraldo não tem fronteiras, fala do mundo como quem fala do quintal da sua casa e do quintal da sua casa como quem fala do mundo. Em tudo uma marca inconfundível: o verso novo e inovador, a musicalidade das palavras que se entrelaçam como trepadeiras que escalam muros e desabrocham a flor nos cabelos das ruas; a ironia cortante que desaloja a ferrugem; a críticas audaz aos inimigos da vida; o imenso amor que o liga à natureza. Sobretudo, seu canto de esperança no homem, sua fé na liberdade e no advento de uma sociedade de coletiva felicidade”. No III Banquete Literário, os convidados serviram-se no Prato de Estrelas e poesias uranianas.
Dentro desta riquíssima programação fui homenageada com uma placa do III Banquete Literário e recebi um buquê de flores. Sou grata a todos que fazem a instituição de ensino EEEP Wellington Belém de Figueiredo por este reconhecimento e homenagem. Não poderia ter sido num local melhor, afinal é lá onde desenvolvo diariamente minhas atividades como professora do Laboratório Educacional de Informática-LEI.
Na ocasião dediquei a conquista a todos que fazem a referida instituição de ensino, pelas oportunidades, pelo aprendizado, por me possibilitar crescer como pessoa e profissionalmente. Gratidão!
A Professora Luciana França também deixou uma nota de agradecimento via redes sociais: Queridos alunos e alunas que estiveram comigo durante as atividades do III Banquete Literário: sirva - se de Geraldo Urano, muito obrigada. Que Jesus ilumine cada vez mais o caminho de vocês. Estendo meus agradecimentos a gestão, professores, funcionários da vigilância, limpeza e da secretaria, alunos participantes, ao ex-aluno Guilherme e familiares pela credibilidade em nossos trabalhos. Agradeço também a Escola Municipal Hermano Chaves Franck e a Escola Padre Luís Filgueiras pela parceria. Gratidão... Gratidão... Prosperidade a todos. Tivemos um momento digno do grande artista Geraldo Urano, com toda magia e riqueza da sua poesia. Somente o céu para abrigar um artista de tamanha grandeza. Profa. Célia Dias obrigada pela belíssima participação. Profa. Lucélia Muniz, acadêmica da ALB seccional Araripe, ocupante da cadeira 35, também esteve abrilhantado nosso evento. Muito obrigada.”
“Se queres ser universal, canta primeiro a tua aldeia”. (Tolstói)

Meu APOIO ao Conjunto Juventude Filgueiras! VOTE 18!

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 02 de dezembro de 2018
Na quarta-feira (05) acontecerá a Eleição para escolha da chapa do Grêmio Estudantil da EEM Padre Luís Filgueiras. O Conjunto JUVENTUDE FILGUEIRAS com o lema: “União para reconstruir. Atitude para resolver” concorre nesta eleição tendo como CHAPA o nº 18. #EuTôComA18!

Confira algumas propostas da Chapa 18:
CULTURAL 
- Semana cultural;
- Festa de aniversário da escola;
- Trabalhar projetos para o ENEM (oficinas de redação, aulões e palestras vocacionais);
- Concursos literários (poesias, contos e crônicas);
- Passeios a museus;
- Exposição de desenhos pinturas e esculturas;
- Eventos musicais;
- Seções de cinema;
- Feira de ciências.

SOCIAL
- Projeto solidário (dias das crianças, dia das mães, Natal sem fome);
-Campanha de prevenção (gravidez precoce, drogas, etc);
-Embelezamento da escola (painéis murais, etc).
- Grupos de discussão (preconceitos e inclusão social).

ESPORTE
- Jogos escolares (futebol, vôlei, basquete, handebol, etc); 
- Seleção da escola (M/F);
- Concurso de dança;
- Campeonatos todos os bimestres;
- Gincanas;
- Participação em campeonatos interescolares.

MEIO AMBIENTE
- Jardim;
- Trabalhar a reeducação ambiental dentro do ambiente escolar por meio de oficinas e palestras.

COMUNICAÇÃO
- Jornal escolar (online e impresso);
- Participação na reunião de representantes de classe.
Esta Chapa é composta pelos seguintes estudantes:
Presidente: Antônio Neto;
Vice-Presidente: Assis Neto;
Secretaria Geral: Vitória Moura;
Tesoureira: Alexsandra Silva;
Diretora de Cultura: Kevylly Balbino;
Diretora Social: Samira Silva;
Diretora de Esporte: Érica Freire;
Diretora de Meio Ambiente: Bianca Moura;
Diretor de Comunicação: Rudson Ruan;
1º Suplente: Rikelmy Oliveira;
2º Suplente: Henrique Souza.

Nesta quarta-feira confirme seu VOTO na Chapa 18!