quarta-feira, 27 de janeiro de 2021

Como se organizará as Matrizes de Conhecimentos Básicos nas escolas neste momento atípico de retomada das aulas presenciais no nosso estado? | CEARÁ

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 27 de janeiro de 2021

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick__

Via Informações de documento encaminhado pela Secretaria da Educação do Estado do Ceará para as escolas da rede estadual de ensino

As Matrizes de Conhecimentos Básicos tem por objetivo apresentar às escolas objetos de conhecimentos basilares esperados para cada série neste momento atípico de retomada das aulas presenciais no nosso estado, considerando as diretrizes apresentadas pelos principais documentos norteadores do ensino e da aprendizagem na área, como os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM), as Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (OCNEM) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Com isso, indicamos que haja um planejamento em que se leve em conta o que já foi trabalhado até o momento, diagnosticando o grau de aprendizagem para que, assim, possamos garantir uma educação equânime para todos os estudantes. Vale salientar que os professores têm autonomia para elaborarem seus planos de ensino e que os conteúdos são apresentados apenas como sugestão.

Para a compreensão deste documento, ficam definidos os seguintes termos:

a) Matriz de Conhecimentos Básicos: documento que norteará a organização pedagógica e curricular da escola.

b) Competências: mobilização de conhecimentos (conceitos e procedimentos), habilidades (práticas cognitivas e socioemocionais), atitudes e valores para resolver demandas complexas da vida cotidiana, do pleno exercício da cidadania e do mundo do trabalho.

c) Habilidades: ações e operações manuais ou cognitivas, relacionadas ao plano imediato do saber-fazer, que se aperfeiçoam e se articulam, possibilitando nova reorganização de competências mais amplas.

d) Atitudes: disposições para avaliar acontecimentos e situações, possibilitando uma atuação coerente do ser humano, com base em componentes cognitivos (conhecimentos e crenças), componentes afetivos (sentimentos e preferências) e componentes de condutas (ações manifestas e declaradas de intenções).

e) Componente curricular: elemento com carga horária pré-definida, com o objetivo de desenvolver competências especificas, podendo ser organizadas em disciplinas, atividades ou projetos.

f) Objetos de conhecimentos: conteúdos, conceitos e processos, que se relacionam com diferentes habilidades

SOBRE AS ÁREAS DO CONHECIMENTO

Linguagens e suas Tecnologias

Os objetos de conhecimentos elencados nas matrizes de Linguagens e suas Tecnologias visam contribuir para o desenvolvimento intelectual e sociocultural dos estudantes, oferecendo-lhe condições mínimas para que possam prosseguir com os estudos, ingressar no mercado de trabalho, continuar exercendo a cidadania e dominar práticas linguageiras mediadas pelas tecnologias da informação e da comunicação (TIC).

Matemática e suas tecnologias

A proposta curricular de Matemática é estruturada em torno da preocupação de mitigar a crônica debilidade na formação de nossos jovens e prover-lhes o acesso, na forma de real e definitiva inclusão, a patamares minimamente admissíveis de conhecimento matemático. Faz-se necessário compreender, portanto, que muito da debilidade no conhecimento matemático produzido ao longo da vida acadêmica dos estudantes está relacionada à falta de interação desses com a realidade. Para isso, é importante considerar a matemática que está presente nas situações do cotidiano dos estudantes. Nesse sentido, enfatiza-se, no currículo e nos materiais estruturados correspondentes, os saberes e as habilidades que representam os principais entraves à adequação do estudante ao nível esperado de proficiência. A proposta busca fornecer uma visão operacional e flexível do currículo de Matemática do ensino médio, promovendo um arranjo de pré-requisitos (tópicos diagnósticos) dos objetos de conhecimento. Os professores e coordenadores pedagógicos podem selecionar, em cada série, quais tópicos diagnósticos e quais objetos do conhecimento serão trabalhados com os estudantes. Não é mandatório que trabalhem todos: o professor pode partir de um certo tópico/objeto e avançar até outros tópicos/objetos estrategicamente selecionados. Nestes recortes e escolhas, deve considerar o que já foi trabalhado e em que nível de aprendizagem estão os estudantes com respeito a esses tópicos/objetos e a seus pré-requisitos lógicos e cognitivos. Para entendimento da matriz exposta a seguir, os números entre parênteses indicam os tópicos diagnósticos (ou pré-requisitos) dos quais dependem os objetos do conhecimento em cada série. Esses tópicos diagnósticos devem ser contemplados em avaliações diagnósticas-formativas e atividades de monitoramento que permitam averiguar o nível e a progressão de aprendizagem dos estudantes.

Ciências da Natureza e suas Tecnologias

A matriz curricular de Ciências da Natureza apresenta os objetos de conhecimentos basilares que devem estar nos planos de curso de retomada das aulas presenciais. Essa matriz consiste em uma referência para que as escolas estruturem, de forma clara e objetiva, os saberes imprescindíveis no processo de ensino e de aprendizagem dos componentes curriculares da área de Ciências da Natureza. Os conteúdos podem ser explanados de acordo com os pré-requisitos de conhecimentos atingidos pelos estudantes por meio de atividades que possam monitorar a condição necessária para atingir o objetivo cognitivo e a progressão da aprendizagem. Com a matriz curricular referencial, pretende-se, portanto, garantir uma essência básica comum a todos, alinhada às atuais necessidades de ensino, às legislações e às Diretrizes e aos Parâmetros Curriculares Nacionais vigentes. Destaca-se a importância dos professores considerarem, sempre que possível, a realidade local nas abordagens curriculares.

Ciências Humanas e Sociais Aplicadas

A área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas tem como foco o sujeito humano em suas diversas construções sociais. Nesse sentido, a História se debruça sobre a temporalidade das sociedades; a Geografia volta-se para a territorialidade e o espaço; a Sociologia se centra nas relações sociais; enquanto que a Filosofia tem como objeto a metafísica na busca pela compreensão da natureza humana. Orientando-se, por esse escopo científico, a proposta curricular da Área Ciências Humanas e Sociais Aplicadas que, ora apresentado, objetiva fortalecer na prática de ensino e aprendizagem, por meio do planejamento, a integração dos componentes curriculares, através da compreensão crítica e reflexiva da realidade social, entendida como dialética, onde os sujeitos partícipes e ativos desses processos sejam capazes de ler e compreender o contexto social a partir de sua relevância no plano individual e coletivo. Essa proposta curricular da Área Ciências Humanas e Sociais Aplicadas propõe aos professores um escrutínio sobre o saber dessas ciências através da ampliação do conhecimento ao considerar aspectos das ciências sociais aplicadas como Economia, Direito, Antropologia e Administração, tidas anteriormente como auxiliares ou complementares ao ensino da área. Essas outras ciências passam a figurar no campo curricular também do Ensino Médio, integrando-se ao segundo aspecto que a proposta busca propor, o da inovação do ensino por meio da pesquisa como princípio pedagógico. Esse percurso soma-se à relação dos objetos de conhecimento, ora destacados, por essa matriz, para servirem como um exercício teórico e metodológico, que movimenta o pensar da área para além de conteúdos estanques ou fragmentados, mas, como uma ação integradora no desenvolvimento de competências, exigindo dos estudantes habilidades como a leitura e a interpretação de novas fontes e saberes, quebrando a lógica de uma aprendizagem fragmentada e descontextualizada.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário logo abaixo! Sua interação é muito importante!