sábado, 18 de março de 2017

Gesto de Solidariedade – Vamos ajudar a população de Assaré atingida pela chuva!

Campanha de Solidariedade
População de Assaré atingida com a enxurrada de ontem precisa de sua ajuda! Você pode ajudar doando roupas, peças de cama, toalhas, eletrodomésticos usados, alimentos entre outras muitas coisas que você queira doar!

Peço que procurem alguma instituição local para entrega e distribuição das doações!

A Festa da Natureza
Por: Francisco Eugênio Costa Oliveira

A sorte do nordestino é mesmo de fazer dó
Seca sem chuva é ruim
Mas seca d'água é pior.

Triste daquele que se alimenta do lamento das obras de Deus, a todo o momento o homem com seu instinto de ganância e poder desafia e afronta o que de mais belo a natureza tem. Nos últimos 05 anos o nordestino tem sofrido muito pela a escassez d’água, que leva ao transtorno e alimenta os problemas sociais, buscar ou apontar os culpados, não é o correto, mas assumir a condição de ser político e social é o momento.

Não queremos fortalecer o conceito de que os verdadeiros culpados são os políticos partidários, mas nós somos coadjuvantes desta história, pois que estar nos poderes executivos e legislativos foram postos por nós. É sabedor que desde 1.501 até meados do século XVIII, já se tinha notícia de seca do Nordeste brasileiro e se sabe também que o Nordeste é a região que mais se aproxima da Europa, continente dos nossos colonizadores: Portugal, Espanha, Holandeses, Inglaterra.

Portanto, desde a sabida existência das Américas as adversidades climáticas já existiam e capital do Brasil Colônia permaneceu na Cidade de São Salvador de Todos os Santos até 1763, devendo ao fato da exploração do Pau Brasil e a facilidade de comunicação entre os nativos, que tradicionalmente não eram guerreiros e de fácil enganar, que eram os Cariris que habitavam o litoral do norte do Pará até o Sul da Bahia. Em 31 de agosto a Capital do Vice-Reino do Brasil é transferida para o Rio de Janeiro, pois além de ser mais populoso, cuja importância se dava para o domínio colonial e principalmente com a exploração das jazidas de ouro em Minas Gerais, o que levou a Cidade do Rio de Janeiro de São Sebastião como um importante centro portuário.

É preciso de políticas públicas sérias e permanentes, que busquem ações concretas para a convivência do ser humano com as adversidades climáticas e nós sabemos que em outros países já existem tecnologias de sustentabilidade e biodegradável. Fiz um pequeno relato histórico para mostrar da importância do Nordeste brasileiro para o surgimento de nossas terras para o Brasil e que vem desde da malfadada colonização exploradora e perniciosa as nossas raízes populacionais, além do mais a região sudeste ter um mais ameno que ao nosso.

Nesses últimos dias estamos convivendo com chuvas que banham o nosso Ceará e que não é uma garantia de abundância de água em nossos reservatórios, pois as previsões nos mostram isso. Quero ressaltar que essas enchentes que adentram nos espaços urbanizados, se devem único e exclusivamente a ação do homem, que não respeitam os leitos dos rios, riachos e pequenos vales que contribuem para encher os reservatórios e que alimentam e são necessários para vida de cada um de nós.

Ao tomarmos consciência do uso correto dos espaços que vivemos, tendo com referência a construção de um plano diretor que regulamente a ação do homem na natureza, e promova diretrizes para loteamentos e o mais importante o uso da água com sustentabilidade e coerência. Devemos lembrar que sustentabilidade ambiental são ações responsáveis numa busca entre o desenvolvimento econômico e a ao mesmo tempo a preservação do nosso ecossistema.

Temos que ter a sensibilidade e o compromisso de começar a tomar medidas primeiramente em nossos lares e partirmos para o lugar que moramos e vivermos numa sinfonia, onde o conjunto da obra toquem o espírito de cada um com quem nós convivemos e partirmos para uma melhor qualidade de vida. Não podemos nos permitir que errar tanto com ações que em qualquer momento podemos sofrer consequências, que nos leve ao prejuízo material, pessoal e social.

Eu sou de uma terra que o povo padece
Mas não esmorece e procura vencer.
Da terra querida, que a linda cabocla
De riso na boca zomba no sofrer
Não nego meu sangue, não nego meu nome
Olho para a fome, pergunto o que há?
Eu sou brasileiro, filho do Nordeste,
Sou cabra da Peste, sou do Ceará.
Patativa do Assaré

Partindo desse trecho da poesia de Patativa que lanço uma campanha solidária entre filhos e amigos do “Assaré Querido”, que ajudemos a quem está precisando e que qualquer instituição pública ou privada ou um colegiado de Instituições, que assuma esse papel solidário, que é um ato de Amor e que Deus será a grande for inspiradora dessa campanha de que todos somos iguais diante do Senhor nosso Pai e grande Maestro dessa sinfonia, cujo resultado será reconhecido como uma grande ação humanitária.

É triste para o Nordeste o que a natureza fez
Mandou cinco anos de seca e uma chuva em cada mês
E agora em 85 mandou tudo de uma vez
A sorte do nordestino é mesmo de fazer dó
Seca sem chuva é ruim
Mas seca d'água é pior
Quando chove brandamente depressa nasce um capim
Dá milho, arroz e feijão, mandioca e amendoim.
Poema: Patativa do Assaré

0 comentários:

Postar um comentário

Grata pelo comentário! Volte sempre! :)