terça-feira, 10 de julho de 2018

Pensar o conceito de gênero e sexualidade e a sua importância na educação

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 10 de julho de 2018
Por Alan Cordeiro - Trecho de uma etnografia realizada em 2017
Aluno do 3° ano da EEM Padre Luís Filgueiras, Militante do coletivo Kizomba e Ativista dos direitos humanos.
(...) pensar o conceito de gênero e sexualidade pode ser um convite para que o/a aluno/a, e também o/a educador/a possa olhar para a sua própria sexualidade e pensar a construção histórico-cultural de conceitos como heterossexualidade, homossexualidade, questionando a heteronormatividade que toma como norma universal a sexualidade branca, de classe média e heterossexual.

(...) segundo Louro (2003), é comum as escolas tratarem de gênero e sexualidade como sendo sinônimos, padronizando um modo único e adequado do que é masculino e o feminino e possibilitando de uma única maneira apenas a forma de viver a sexualidade. Tece-se uma complexa trama normativa que estabelece uma linha de continuidade entre o sexo (macho e fêmea), o gênero (masculino/feminino) e a orientação sexual que se direciona “naturalmente” para o sexo oposto.

Na tentativa de se desviar dos discursos moralistas, que via a homossexualidade como desvio de caráter, falhas no processo educativo familiar ou resultado de patologias hormonais, enfatiza-se cada vez mais a ideia de que o sujeito nasce homossexual ou heterossexual, desculpabilizando-o do comportamento homossexual já que não seria uma questão de escolha, mas de determinação.

(...) a escola enquanto instituição, precisa ter discussões relacionadas a esses temas para que haja maior participação de todos os alunos. E essas discussões são de extrema importância na vida dos/as alunos/as para que os mesmos possam viver da forma que lhes acharem conveniente, e que possam passar um período em sala de aula onde não aprendam apenas as disciplinas que estão inscritas na grade curricular dos/as professores/as, mas aprendam a conviver com a diferença longe de qualquer tipo de violência, opressão e discriminação.

Hoje vivemos em uma sociedade que a cada dia mostra para os indivíduos o quanto é importante essas discussões, apontando novos modos de vidas diferentes que possam abrir para virtualidades relacionais e afetivas de cada um. Pois, para Foucault (1995), a grande resistência políticas na modernidade talvez: (…) não seja descobrir o que somos, mas recusar o que somos (…) o problema político, ético, social e filosófico de nossos dias não consiste em tentar libertar o indivíduo do Estado nem das instituições do Estado, porém nos liberarmos tanto do Estado como do tipo de individualização que a ele se liga. Temos que promover novas formas de subjetividade, através da recusa deste tipo de individualidade que nos foi imposto há séculos. (Foucault 1995).
http://www.ubuntunoticiasce.com.br/2017/08/ubuntu-noticias-oferecimento.html

0 comentários:

Postar um comentário

Grata pelo comentário! Volte sempre! :)