segunda-feira, 29 de julho de 2013

O Papa da liberdade de espírito e da razão cordial

Uma das maiores conquistas da pessoa humana no processo de individuação é a liberdade de espírito. Liberdade de espírito é a capacidade de ser duplamente livre: livre das restrições, regras, regulamentos e protocolos que foram inventadas pela sociedade e instituições para padronizar comportamentos e personalidades que moldam como tais determinações. E, fundamentalmente, significa ser livre para ser verdade, pensar com sua própria cabeça e agir de acordo com seu padrão interno, amadurecido ao longo da vida, em força e em tensão com essas imposições.
E esta é uma luta titânica, porque todos nós nascemos dentro de certas determinações que estão além do nosso controle, seja na família, a escola, o círculo de amigos, religião e cultura que moldam nossos hábitos. Todos estes elementos actuam como superyós que podem ser limitantes e em alguns casos até castração. Obviamente, estes limites tem uma função reguladora importante. O rio atinge o mar porque tem margens e limites, mas estes também podem represar as águas devem fluir, em seguida, derramar sobre os lados e se transformam em poças.
As atitudes e comportamentos do atual bispo impressionante de Roma, como ele gosta de apresentar, comumente chamado de Papa, Francisco, evocam esta categoria como determinante do espírito livre.
Normalmente, o papa nomeou o cardeal imediatamente assume o estilo clássico, papas hierático e sacral, seja no vestuário, nos gestos, nos símbolos do sagrado e do poder supremo, e da linguagem. Francisco, com uma grande liberdade de espírito, fez o contrário: ele adaptou a figura do Papa ao seu estilo pessoal, seus hábitos e suas convicções. Todo mundo sabe que as quebras inseridos sem a menor cerimônia. É mais leve de todos os símbolos do poder, especialmente a cruz de ouro e pedras preciosas e pequenas coat (Mozzetta) carregando o outro, cheio de brocados e jóias, uma vez que um símbolo dos imperadores romanos pagãos. Secretária de sorriso disse que queria colocá-lo em seus ombros, "guarda porque o carnaval acabou". Vestidos com maior sobriedade, de branco, com seus sapatos pretos habituais e, abaixo, com suas calças, preto também. Renuncia a todos os serviços atribuídos ao Supremo Pastor da Igreja, começando com o palácio papal substituído por um presbitério, e comer com os outros. Pense antes de pobre Pedro, que era um pescador bruto, ou em Jesus, que o poeta Fernando Pessoa: "Eu não sabia nada sobre contabilidade ou tem ele tinha biblioteca" porque era um "faz-tudo" e um simples camponês mediterrâneo. Sente sucessor do primeiro e segundo representante. Não quero ser chamado de Sua Santidade, porque ele se sente "irmão entre irmãos", não quer presidir a Igreja no rigor da lei canônica, mas na caridade quente.
Em sua viagem ao Brasil tem mostrado nenhum espetáculo liberdade de espírito como o transporte como um veículo popular, um jipe coberto, a fim de mover-se por entre a multidão, parando para abraçar as crianças, beber um pouco sem graça, a troca de seu branco solidéu papal achatada por outros meios, que fornece um fiel. Durante a cerimônia de boas-vindas do governo, que segue um protocolo rigoroso após o discurso é dirigido a Presidente Dilma Rousseff e beijos, para o desespero da mestre de cerimônias. E há muitos outros exemplos.
Esta liberdade de espírito traz brilho inegável de ternura e vigor, as características pessoais de São Francisco de Assis. Esta é uma pessoa de grande integridade. Essas atitudes pessoais sereno e forte mostrar um homem de grande sensibilidade, que fez uma síntese pessoal significativa entre o seu eu interior e sua auto-consciente. É o que se espera de um líder, especialmente religiosa. Ele evoca leveza e segurança.
Esta liberdade de espírito é reforçada pelo esplêndido resgate amigável torna a razão. A maioria dos cristãos estão cansados de doutrinas e estão céticos sobre as campanhas contra inimigos reais ou imaginários da fé. Estamos todos encharcados até a medula da razão intelectual, funcional, analítica e eficientista. Agora vem a cada vez que alguém fala com o coração, como ele fez em seu discurso para a comunidade (favela) de Varginha ou na ilha de Lampedusa. No coração é onde habita sentimento profundo para os outros e para Deus. Sem o coração as doutrinas são frios e não chamar para a paixão. Em sobreviventes da África, confessa: "Somos uma sociedade que se esqueceu de chorar experiência de" sofrer com ": a globalização da indiferença tem tirado a capacidade de chorar." Julgamento sabiamente: "A medida da grandeza de uma sociedade é determinado pela forma como trata os mais necessitados."Por essa medida, a sociedade global é um pigmeu, anêmico e cruel.
A razão é mais eficaz quente do sono apresentação em Jesus do que qualquer doutrina erudita e transforma o seu diretor arauto, Francisco de Roma, em uma figura fascinante ao coração dos cristãos e outras pessoas.
Leonardo Boff publicado apenas Francisco de Assis e Francisco de Roma, Mar Idéias, Rio 2013.

FONTE: Cebs Intereclesial

Um comentário:

  1. Lindo texto!
    Beijos, Pá.
    @papalombo
    www.fashionandotherthings.com

    ResponderExcluir

Grata pelo comentário! Volte sempre! :)