quinta-feira, 28 de maio de 2020

Poesia “Cântico dos telhados” Por Manoel Neto – Escritor e Poeta | SALITRE-CE

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 28 de maio de 2020
Por Manoel Neto – Escritor e Poeta
Autor do Blog Literário De Letra em Letra
Quando chove os
telhados mudos
inventam canções
em choros agudos.

Os pingos de chuva,
molhando as matas,
atravessam a manhã
em serenata.

Quem mais aproveitam
são os passarinhos, e,
em cânticos serenos,
se deitam nos ninhos.

Quando chove os meninos
se põem todo enrolados
em lençóis de seda
escutando os telhados

que cantam as serenatas
e as sonatas e os hinos,
melodias suaves para
se tirar bons cochilos.

Não se sai para a rua
e nem se muda de rota
com medo de se perder
alguma estridente nota.

É mesmo engraçado
quando a chuva vem,
pois ninguém  diria que telhados
mudos cantam tão bem.

Ninguém pensaria que
eles sabem embalar,
pois suas notas pingadas
são canções de ninar.

Quando chove, enfim,
a vida toda vira festança,
porém, aos cânticos dos telhados
ninguém dança.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário logo abaixo! Sua interação é muito importante!