domingo, 8 de dezembro de 2019

BANQUETE LITERÁRIO da escola profissional de Nova Olinda tem como tema - O CÉU DE CASTRO ALVES

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 08 de dezembro de 2019
Foi com o poema musicado “Navio Negreiro” na voz de Caetano Veloso que os alunos fizeram a abertura do Banquete Literário da EEEP Wellington Belém de Figueiredo com o tema central - O CÉU DE CASTRO ALVES.
Ainda na abertura, os alunos mestres de cerimônia, leram a biografia do poeta Castro Alves homenageado no Baquete Literário no mês onde se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra.
Os alunos vestiram-se e caracterizaram-se com roupas, acessórios, pinturas e trouxeram em dança, poesia, conto, decoração, cartazes, mensagens, pinturas e músicas palavras e mensagens – um chamado a reflexão sobre a nossa origem e as nossas raízes africanas.
Uma das poesias de Castro Alves declamadas foi Despertar para morrer. E logo na sequência a leitura de um texto acerca do dia 25 de março no Ceará sobre o Dragão do Mar e a abolição da escravatura no Ceará.
Alunos revezaram-se para declamar as estrofes de um dos marcos da poesia de Castro Alves - Navio Negreiro. Na decoração a frente do palco, a proa de um navio dando a entender que os alunos estavam a bordo de um “navio tumbeiro” só que levando paz e libertação.
Na arte-divulgação dessa edição do banquete literário o mar é representado por correntes quebradas ao passo que o navio avança sobre as águas. Arte ilustrativa da Profª Lucélia Muniz do Laboratório Educacional de Informática-LEI e reproduzida em pintura por uma aluna.
Ainda foi declamado as poesias Maria, Nos Campos, Saudação a Palmares e Canção do Africano também de Castro Alves. E logo em seguida a coreografia da música Pérola Negra da cantora baiana Daniela Mercury.
Se tem roda, tem grupo de Capoeira fazendo uma participação muito especial ao som do berimbau. E a música “A carne” de Elza Soares foi cantada pelo grupo de alunos com muita emoção.
Para fazer referência ao Dia Nacional da Consciência Negra foi explicado sobre o marco legal que dá origem a essa data.  Ainda ouvimos as músicas Sorriso Negro, Andar com fé e Cota não é esmola executada por nossos alunos.
E também foi declamado as poesias Lembrança e Companheiros de Mia Couto.
Sob O CÉU DE CASTRO ALVES tinha estrelas, mas estava faltando a majestosa lua que foi conduzida por uma aluna para ganhar o céu trazendo feminilidade, passividade, fertilidade, periodicidade e renovação.
Fora do auditório, local da realização do banquete literário, houve ainda uma roda de samba com instrumentos da nossa escola e o convite aos presentes para participarem sambando.
Professoras - Edisangela Sales, Cícera Silvana, Luciana França, Talita de Morais e 
Expedita Alves (idealizadoras da ação)
Essa foi uma ação coordenada e orientada pelos professores da área de Ciências Humanas em parceria com a Biblioteca da EEEP Wellington Belém de Figueiredo de Nova Olinda-CE com a participação especial dos alunos das turmas dos 1º e 2º anos dos Cursos Técnico em Redes de Computadores, Finanças, Agronegócio e Edificações.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário logo abaixo! Sua interação é muito importante!