terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

SOU DO CAMPO E MEU DIPLOMA/NÃO APAGA O MEU PASSADO

 Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 19 de fevereiro de 2019
Por Rariosvaldo Oliveira
Mote: Zé de França
Eu me criei no sertão
Brincando nos tabuleiros
Tomando "bãe" nos barreiros
Meu brinquedo era um pião
Minha infância foi no chão
Do sertão que eu fui criado
Hoje eu já tou diplomado
Mas de lá ninguém me toma
Sou do campo e meu diploma
Não apaga meu passado.

Quem não viveu no sertão
Não sabe o que é um pote
Cancela, curral, garrote
Espora, sela e gibão
Quem nunca pisou no chão
De um paraíso encantado
Pode até ter estudado
Mas não ler meu idioma
Sou do campo e meu diploma
Não apaga meu passado.

Arupemba e caçuá
Pilão, moinho e faxina
Ferro a brasa e lamparina
Tinha no meu abitat
Por isso em meu linguajar
Traz o meu sertão falado
Roça, roceiro e arado
Na minha cultura soma
Sou do campo e meu diploma
Não apaga o meu passado.

Não nego que sou do Mato
Me criei dentro da roça
Meu transporte era carroça
Que a roça era o meu recato
Trago no peito o retrato
Do lugar que fui criado
E por mais que eu tenha estudado
Meu passado é quem me doma
Sou do campo e meu diploma
Não apaga o meu passado.

0 comentários:

Postar um comentário

LUCÉLIA MUNIZ FRANÇA
Blogueira, Professora e Microempresária. Membro da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE, Cadeira nº 35 que tem como Patrona a Professora e Artesã - Maria Constância da França Muniz. Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Regional do Cariri-URCA com habilitação em Matemática. Especialista em Matemática e Física pela Faculdade de Juazeiro do Norte-FJN.