terça-feira, 19 de setembro de 2017

Campanha Setembro Amarelo – Como as pessoas podem ajudar?

É preciso perder o medo de se aproximar das pessoas e oferecer ajuda. A pessoa que está numa crise suicida se percebe sozinha e isolada. Se um amigo se aproximar “tem algo que eu possa fazer para te ajudar?”, a pessoa pode sentir abertura para desabafar.

Nessa hora, ter alguém para conversar pode fazer toda a diferença. E qualquer um pode ser esse “ombro amigo”, que ouve sem fazer críticas ou dar conselhos. Quem decide ajudar não deve se preocupar com o que vai falar. O importante é estar preparado para ouvir respeitando o momento e a forma desta pessoa.

O suicídio foi e continua sendo um tabu entre a maioria das pessoas. É um assunto proibido e que agride várias crenças religiosas. O tabu também se sustenta porque muitos veem o suicida como um fracassado. Por outro lado, os homens, por natureza, não se sentem confortáveis para falar da morte, pois isso expõe seus limites e suas fraquezas.

Esse tabu piora a situação de muitos. Muitas vezes, mesmo aqueles que seguem religiões que condenam o suicídio não conseguem respeitar suas crenças e acabam dando fim a própria vida.

As estatísticas mostram que o suicídio cresce não somente por questões demográficas e populacionais, mas também por problemas sociais que prejudicam o bem-estar de cada um e que estimulam a autodestruição.

Nossa sociedade vive com diversas situações de agressão, competição e insensibilidade. Campo fértil para que transtornos emocionais se desenvolvam.

O principal antídoto para combater essa situação

é o sentimento humanitário.

FONTE: CVV-Centro de Valorização da Vida. Falando abertamente sobre suicídio: Como vai você? Programa de Prevenção do suicídio e apoio emocional. www.cvv.org.br.

0 comentários:

Postar um comentário

Grata pelo comentário! Volte sempre! :)