sexta-feira, 14 de agosto de 2020

A Era da desinformação: da fake news ao deepfake

Lucélia Muniz

Ubuntu Notícias, 14 de agosto de 2020

@luceliamuniz_09 @ubuntunoticias @agenciaclick_

Via E-book 2020 TENDÊNCIAS Campanhas Eleitorais da Empresa Mescla

A matéria que você vai ler a seguir consta das informações do E-book que eu recebi em meu e-mail e foi encaminhado pela Renata Mendonça, coordenadora da área de pesquisa de tendências da Empresa Mescla.

 

Estar em um mundo conectado ajudou a desenvolver a humanidade em várias áreas, mas criou um paradigma curioso: o acesso à informação x desinformação. Nunca tivemos tanto conteúdo disponível e distribuídos em vários canais diferentes. Ao mesmo tempo, informações descontextualizadas ou falsas são disseminadas a todo momento e com a ajuda de muitas pessoas que recebem aquela notícia de alguém de confiança, não analisam se a mensagem é realmente verdadeira e passam adiante.

 

Em setores como política, especialmente em época eleitoral, esta prática se exacerba e em algumas vezes consegue influenciar resultados. Para as eleições de 2020, além da disseminação de fake news, o deepfake, técnica que usa inteligência artificial para criar vídeos que nunca existiram, é outra grande preocupação. O desafio maior é educar a população para que ela não seja manipulada pela era da desinformação.

 

No Brasil, são 9 projetos dedicados a dizer se algo é verdadeiro ou não, ou indicar escalas de veracidade. No mundo, são 161. Durante todo o ano, os projetos se concentram em checar as informações que circulam na web e um deles, "Aos Fatos", tem um robô que funciona no Facebook e WhatsApp onde o usuário pode enviar uma informação e ele ajuda a identificar a veracidade. Além disso, algumas agências de checagem, como a Lupa, preparam novos checadores para reforçar o trabalho.

 

20 dias antes da eleição presidencial da Argentina, em 2019, checadores e publicitários se uniram para produzir um vídeo com os candidatos à presidência em situações curiosas. O filme, que contou com técnicas de deepfake para manipular imagens e voz, foi divulgado para alertar sobre as sofisticadas técnicas utilizadas para enganar os cidadãos, ou seja, mostrar como as pessoas precisam desconfiar de tudo antes de espalhar a informação. Uma ação similar foi feita também nas eleições gerais do Reino Unido.

 

O Brasil tem o seu próprio deepfaker, Bruno Sartori é responsável por uma série de paródias que alertam sobre a técnica que está crescendo em todo mundo. Suas contas nas redes sociais estão recheadas de materiais que mostram sua capacidade de criar vídeos que nunca existiram ou que mesclam alguma cena real com rostos de políticos brasileiros. A cada novo vídeo publicado percebe-se o aprimoramento da técnica e o quanto ela pode impactar uma disputa eleitoral.

 

As fake news sem dúvida alguma fizeram um trabalho de desvio de atenção para temáticas relevantes nas últimas eleições. Portanto, fique de olho, antes de compartilhar uma informação verifique a veracidade da mesma! 

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário logo abaixo! Sua interação é muito importante!