domingo, 12 de abril de 2020

No domingo de Páscoa, Papa escreve aos movimentos populares: “Continuem a luta”

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 12 de abril de 2020
Via Sul 21
“Continuem a luta e se cuidem como irmãos. Rezo por vocês, rezo com vocês”, expressa o Papa Francisco em carta destinada às e aos integrantes dos movimentos populares e organizações sociais de todo o mundo, divulgada neste domingo de Páscoa (12).

Na data em que milhões de cristãos celebram a Ressurreição de Cristo, o pontífice destina suas orações àqueles que dedicam suas vidas à transformação social, atuando a partir de suas comunidades.

“Penso nas pessoas, sobretudo nas mulheres, que multiplicam o pão nos restaurantes comunitários, cozinhando com duas cebolas e um pacote de arroz um delicioso refogado para centenas de crianças; penso nos doentes, penso nos idosos. Nunca aparecem nos grandes meios de comunicação. Tampouco aparecem os camponeses e agricultores familiares que seguem lavrando para produzir alimentos saudáveis sem destruir a natureza, sem monopolizar ou negociar com a necessidade do povo. Quero que vocês saibam que nosso Pai Celestial olha por vocês, os valoriza, reconhece e os fortalece em sua escolha”, escreve.
Com palavras emocionantes, que expressam sua proximidade com os movimentos populares, recordando encontros ocorridos no Vaticano e em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, o Papa Francisco enaltece o trabalho realizado por essas organizações em meio à pandemia do novo coronavírus.

“Se a luta contra a covid-19 é uma guerra, vocês são um verdadeiro exército invisível lutando nas perigosas trincheiras. Um exército que conta apenas com as armas da solidariedade, da esperança e do sentido de comunidade que renasce nestes dias nos quais ninguém se salva sozinho. Vocês são, para mim, como lhes disse em nossos encontros, verdadeiros poetas sociais que, a partir das periferias esquecidas, criam soluções dignas para os problemas mais urgentes dos excluídos”, afirma.

No documento, ele recorda a situação de vulnerabilidade enfrentada pela população mais pobre, sem-teto, presos, migrantes, trabalhadores informais, para os quais, em suas palavras, “as quarentenas se tornam insuportáveis” por não contarem com garantias legais que os protejam.

Para o líder da Igreja Católica, a crise desencadeada pela pandemia é uma oportunidade da humanidade repensar seus padrões de produção e consumo, orientados pela competição, individualismo e “lucro desmedido para poucos”.

“Quero que pensemos no projeto de desenvolvimento humano integral que almejamos, centrado no protagonismo dos Povos em toda a sua diversidade e o acesso universal a esses três T que vocês defendem: terra, teto e trabalho. Espero que este momento de perigo nos tire do piloto automático, agite nossas consciências adormecidas e permita uma transformação humanista e ecológica que coloque fim à idolatria do dinheiro e coloque a dignidade e a vida no centro”, suplica.

Na mensagem, o pontífice ainda direciona suas críticas ao mercado e aos “paradigmas tecnocráticos” que, segundo ele, orientam muitos governos ao redor do mundo e “não são suficientes para abordar esta crise nem os outros grandes problemas da humanidade”.

Para Francisco, neste contexto em que a epidemia traz à tona e acirra as desigualdades, os movimentos e organizações populares devem ser reconhecidos, porque são os responsáveis por transformar as crises e privações “em promessa de vida para suas famílias e comunidades”, com modéstia, dignidade, esforço e solidariedade.

Devido às medidas sanitárias recomendadas pela Organização Mundial da Saúde para combater a propagação da doença, neste domingo (12), as celebrações litúrgicas do Vaticano serão realizadas sem os fiéis na Praça de São Pedro devido à pandemia do novo coronavírus.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário logo abaixo! Sua interação é muito importante!