domingo, 9 de fevereiro de 2020

Sobre a ESTABILIDADE do Servidor Público

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 09 de fevereiro de 2020
Mensagem recebida via WhatsApp
Sou servidor público! Minha estabilidade foi gerada pela natureza do trabalho que desenvolvo, sempre seguindo os critérios da legalidade e os princípios éticos. Não devo ficar à mercê da esquerda ou da direita estarem no poder.

Não posso ter o cargo ameaçado porque atuei de forma contrária aos interesses de grupos empresariais ou de partidos políticos. Pago 14% de contribuição previdenciária sobre o total do que ganho e não apenas sobre um teto.

Contribuição essa, importante destacar, que nunca se acaba, pois sou um contribuinte previdenciário VITALÍCIO!!! Portanto, minha aposentadoria sou eu mesmo que pago, não se trata de nenhum “peso” extra para os cofres públicos.

Não tenho e nunca tive FGTS. O meu patrão, a União (Estado ou Município) tem, portanto, esse refresco tributário de 8% sobre o total de sua folha de pagamento.

Não sonego impostos. O imposto de renda já vem retido na fonte! Não invento despesas. Todos os anos faço minha declaração de renda, ao contrário de muitos empresários que burlam o sistema, além de receberem gordos incentivos e isenções fiscais.

É injusto e covarde ver campanhas desmoralizando o servidor público! Não se deixe enganar: a quebra da previdência e das finanças públicas é resultado de renúncias fiscais (perdão de dívidas milionárias de empresas), de isenções bilionárias, de inadimplência dos grandes devedores, bancos principalmente, da contribuição patronal do INSS, além do uso indevido da verba e da má administração dos recursos públicos...

A crise econômica e política, a falta de acesso à saúde e demais serviços por parte da população, não é culpa do funcionalismo público concursado! Colega servidor, ativo ou inativo, passe adiante. Copiei, colei e compartilhei. Sugiro que faça o mesmo.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe seu comentário logo abaixo! Sua interação é muito importante!