segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

DISCURSO de RECEPÇÃO na POSSE de LUCÉLIA MUNIZ DA FRANÇA na ALB/Araripe-CE

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 04 de fevereiro de 2019
Discurso proferido pelo Presidente da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE, o Senhor Francisco Adriano de Sousa, na ocasião da posse da acadêmica Lucélia Muniz da França no dia 26 de janeiro de 2019 em Nova Olinda-CE.
Ilustríssima Mesa de Honra
Acadêmicos ALB Araripe-CE
Convidados a este evento para posse efetiva de acadêmico ALB Araripe-CE
Imprensa
A todos, os meus cumprimentos...
Meus senhores,
Minhas senhoras...
A Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe-CE, conta atualmente com 18 mulheres no nosso quadro de 40 acadêmicos. Das 18 mulheres, 14 foram diplomadas como acadêmicas e apenas 05 tomaram posse efetiva, que se dá com a apresentação de trabalho de pesquisa sobre o patrono. Neste momento recepciono a acadêmica Lucélia Muniz da França, a 10ª acadêmica a tomar posse efetiva no nosso quadro, sendo a 6ª acadêmica mulher.
Estou certo de que adentra hoje, efetivamente, na nossa Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe-CE, não apenas uma escritora, mas tomam posse consigo as muitas Lucélias que lhe completa e que lhe caracteriza.
A presidência ALB Araripe-CE empossa na Cadeira 35, a Lucélia professora, a Lucélia fotógrafa e a incansável Lucélia jornalista.
E afinal, de qual Lucélia falamos hoje?
De todas!
Todas essas Lucélias são importantes e necessárias a vida na Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe-CE.
A Lucélia jornalista que a frente do seu blog, não deixa escapar uma notícia se quer sobre o povo da cidade de Nova Olinda e do Cariri Oeste. Mais importante do que a elevação das famílias caririenses quando se veem homenageadas pelo seu blog, é o registro que sua matéria jornalística faz do tempo tão efêmero em que vivemos.
Todo o nosso passado está registrado na imprensa escrita. As pinturas nas paredes das pirâmides do Egito nada mais eram do que textos jornalísticos que descreviam as batalhas e as bravuras dos faraós, exaltando-os para serem homenageados na nova vida que esperavam ter eles após a morte.
Trazendo mais para a nossa realidade, vemos ainda hoje o resgate dos primeiros jornais brasileiros quando necessita-se de pesquisas mais profundas sobre a história do Brasil.
O rádio foi ultrapassado, muito embora ainda resista, mas falo aqui da importância do rádio enquanto desbravador das comunicações no Brasil; a televisão encara séria concorrência com a internet; e o blog também há de ser ultrapassado. Se a nossa geração não alcançar este feito, alcançarão as gerações futuras. Mas os registros nele feito, serão sempre respeitados e aceitos como registros de um tempo em que este meio liderou as comunicações, e Lucélia Muniz, resistente que é, será mencionada pelos grandes pesquisadores da época.
Tenho a grata satisfação de dizer que a Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe-CE está mencionada no seu blog, primeiro pelo advento da sua fundação, quando ainda Lucélia Muniz não fazia parte do nosso grupo, depois pela sua eleição, e será mencionado posteriormente pelos feitos desta seccional incansável na luta pela defesa da cultura em todas as suas formas.
A Lucélia professora, apaixonada pela educação, graduada e pós-graduada, seguidora da arte de ensinar, de encantar pelas ciências, como assim era sua mãe e agora também sua patrona.
Da mãe, herdou a paixão pela sala de aula, mas não contenta-se em apenas ensinar. Lucélia Muniz inova o modelo de educação. Isso a faz carismática e por isso amada pelos discentes com quem compartilha a mágica arte de ensinar.
A professora Lucélia Muniz não é professora de giz e apagador; de livro didático e plano de aula em caderno amarelado resistente aos muitos anos usados sem alteração. Lucélia Muniz é professora de ir a sala de aula com criatividade e inovação; munida do material necessário não para dar aula, mas para manter um diálogo com o aluno e que no final da soma o resultado será sempre a aprendizagem do aluno para a vida inteira e não somente para os índices educacionais tão almejados pelas escolas formadoras dos zumbis do novo mundo.
É essa a professora que toma assento na Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe-CE, e é desse tipo de professor que andamos em busca, para indicação de reconhecimento, para assento em cadeiras, para a contribuição do mundo da maneira que acreditamos.
Embora muito já se tenha dito sobre a jornalista e sobre a professora, no entanto ainda não toquei nos adjetivos que reservei sobre a fotógrafa. A fotografa que não registra pessoas, lugares ou objetos; mas a fotógrafa que registra sentimentos. Sorrisos, brilho no olhar, gestos carinhosos... eis o registro feito pelas lentes de Lucélia Muniz.
A troca de olhares do casal feliz que vive há muitos anos e comemora as bodas de ouro; a luz espiritual da criança que recebe na pia batismal o renascimento; o orgulho perceptível daquele que recebe pela primeira vez um diploma de conclusão de nível superior. Lucélia Muniz consegue registrar esses sentimentos e perpetuar esses momentos.
Não há nada mais valioso do que essa sensibilidade que lhe é peculiar. Não estivesse essa sensibilidade associada a sua humildade, poderia exigir dos que lhe rodeia tudo o que quisesse. As artes que domina, a criatividade nata e o seu jeito de ser, faz de Lucélia Muniz a primeira entre seus pares.
Confesso que não tive a oportunidade de pesquisar profundamente sobre a vida e a obra de Lucélia Muniz. A distância dos municípios em que vivemos nos dá a dificuldade necessária para a pesquisa e induz a desculpa lógica.
Muito mais poderia dizer se pudesse ter me dedicado um pouco mais numa pesquisa sobre sua vida e obra, até hoje. No entanto, eu corria em cada descrição a fim de poder discorrer sobre a Lucélia escritora.
Eis o título no qual está ancorada a minha admiração suprema. Revelo agora de público o que já comentei com dois ou três acadêmicos em particular: Lucélia Muniz escreveu a brilhante biografia de sua patrona em um dia.
Não estou falando de biografia resumida, estou falando de um capítulo inteiro do livro PATRONOS. Biografia escrita com a mesma qualidade das demais. Em nada deixa a desejar as pesquisas feitas em meses de trabalho.
A Seccional Araripe-CE, conta ainda com acadêmicos diplomados na instalação em 28 de outubro de 2017, que ainda não tiveram tempo para redigir as biografias dos seus patronos. Lucélia Muniz fez a biografia de sua patrona sem ter tempo, tendo apenas compromisso. Não faria justiça se não publicasse aqui essa diferença.

Lucélia Muniz se fez escritora pelo advento da nossa primeira obra literária – PATRONOS. Obra que devemos agradecer a obstinação do acadêmico Sandro Cidrão. Sem ele não teríamos conseguido essa conquista, causa de insônia de tantos presidentes de entidades literárias que não conseguem feito desta natureza em anos de existência e a Seccional Araripe-CE, o fez como coroação do primeiro aniversário.

Lucélia Muniz tem a grandiosidade e o sentimento acadêmico. Qualquer literato que observar o seu perfil, convocará Lucélia Muniz para a sua equipe. Ela está sempre pronta para a defesa daquilo que acredita. Persistente sem ser revolucionária!

Numa análise do perfil da ilustre acadêmica que recepciono, pude observar os traços característicos da família. A criatividade para chegar aonde os outros chegaram, mas por caminhos diferentes; o apego as normas, mas por meios leves e modernizados; a organização nos afazeres e em tudo o que se envolve, mas sem ser metódico.

Assim é Luciana Muniz, uma de suas irmãs, que tive a grata satisfação de conhecer quando ainda era estudante do Ensino Médio Científico, em Altaneira-CE. Assim era sua mãe, Dona Maria Constância da França Muniz, segundo relata a sua biografia no livro PATRONOS. Sua mãe que também é sua patrona na Seccional Araripe-CE, da Academia de Letras do Brasil.

A mulher destemida que transpôs todos os obstáculos que a vida lhe impôs e estudou em um tempo em que as dificuldades para ingresso e permanência na vida escolar eram muito difíceis, especialmente quando se era mulher. Seguiu o caminho escolar até onde deu e fez-se professora até onde sabia.

Na vida religiosa, foi de grande importância para a comunidade católica do município de Nova Olinda-CE. Filha, esposa, mãe, madrinha. Em todos esses campos teve atuação elogiosa. Tomamo-la por Patrona ALB Araripe-CE, e depois da pesquisa apresentada temos a certeza de que a Cadeira de número 35 está deveras protegida por alguém que em vida deu a sua contribuição na cultura, na educação, na religião, e em todos os campos aonde atuou com desenvoltura, abnegação e compromisso.

Com base em sua biografia, reitero que todas as homenagens que lhe possam ser prestadas são de fato necessárias e merecidas. A família de Maria Constância, o povo novaolindesse, as autoridades políticas e educacionais deste município, contam com o apoio incondicional da Seccional Araripe-CE, no tocante a homenagear esta mulher que fez da árdua rotina da vida a sua missão e dedicou a sua vida em favor do bem comum.

Essas características, posso ver também nos seus filhos, especialmente os que tenho maior aproximação. Por isso reitero que as características são da família e não de Maria Constância, unicamente. Pois ela, enquanto vivia e sobrevivia, imprimia a sua marca nos seus filhos. Assim os ensinou os valores morais dos quais são dotados inteiramente.

A presidência da Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe-CE, repousa nos meus ombros com todas as exigências de responsabilidades advindas do cargo. No entanto, sei que o fim deste período aproxima-se a passos largos.

Contudo, fazer o Discurso de Recepção a Lucélia Muniz da França, membro de tão digna família, no seio da Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe-CE, é para mim uma incumbência árdua, pois não tenho certeza se posso ser exemplo para o seu crescimento acadêmico, já que tenho muito mais interesse em seguir os seus passos no compromisso, na organização e na perseverança em tudo o que se envolve, e especialmente na vida acadêmica.

Agradeço, pois, a oportunidade de fazer-lhe a recepção nesta Casa que congrega os maiores baluartes da cultura e da educação do Cariri Oeste. Mais uma vez estou certo de que estamos no rumo do progresso cultural. Se não temos ainda grandes resultados, mas reunimos a melhor equipe do Cariri Oeste para juntos pensarmos os rumos da cultura regional. Pela equipe que somos, prevejo resultados astronômicos.

São essas as minhas palavras!

Francisco Adriano de Sousa
Cadeira 02, ALB/Araripe-CE

0 comentários:

Postar um comentário

LUCÉLIA MUNIZ FRANÇA
Blogueira, Professora e Microempresária. Membro da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE, Cadeira nº 35 que tem como Patrona a Professora e Artesã - Maria Constância da França Muniz. Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Regional do Cariri-URCA com habilitação em Matemática. Especialista em Matemática e Física pela Faculdade de Juazeiro do Norte-FJN.