sexta-feira, 4 de maio de 2018

ALUNOS QUE NÃO APRENDEM: no Brasil, uma multidão de crianças, com e sem diagnósticos, convive diariamente com dificuldades para aprender

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 04 de maio de 2018
Por Roseli Brito [Pedagoga - Psicopedagoga - Neuroeducadora e Coach]
“Quando buscamos recursos, quando avançamos no nosso conhecimento, podemos ouvir esses pedidos de socorro.”
Se um aluno não estiver alinhado com os demais da classe no que refere-se ao aprendizado o que o Professor deve fazer? Quais seriam as causas deste descompasso? “Existem outros, tantos outros como eu?” Esse verso faz parte de uma das canções que compõem a trilha sonora do filme Como Estrelas na Terra, produção indiana que narra a trajetória de um menino com dificuldades de aprendizagem e sua luta para ser compreendido e aceito por professores, colegas e pela própria família.

Quem trabalha com educação sabe que a sala de aula é um espaço privilegiado para a heterogeneidade. Ainda que as crianças de determinada turma sejam todas da mesma faixa etária e compartilhem gostos e hábitos parecidos, cada uma traz dentro de si um rico universo de singularidades, um convite a inúmeras descobertas.

Ishaan, o garotinho que protagoniza o filme citado, é criativo, observador e tem grande talento artístico. O que todos enxergam, porém, é que ele não consegue ler e escrever, se sai mal em exames, é teimoso e está prestes a ser reprovado, pela segunda vez, no 3º. Ano.

Seus professores reclamam, e a família não sabe como agir. Em nossas salas de aula, quantas e quantas vezes recebemos crianças como Ishaan? Elas parecem deslocadas, não compreendem comandos simples, não aprendem e são alvo de bullying por parte dos colegas. O que fazer diante delas?

Parece óbvio, mas a primeira ação é buscar ouvir a criança. Ishaan dizia que as letras tremiam, mas seus professores o ridicularizavam. Ele cometia sempre os mesmos erros: trocas de letras, espelhamentos, tinha dificuldade de leitura e de coordenação motora. Porém, ninguém, nem mesmo sua família buscou ouvi-lo ou ler nas entrelinhas de seus erros e comportamentos.

Coisa de filme? Infelizmente, não. No Brasil, uma multidão de crianças, com e sem diagnósticos, convive diariamente com dificuldades para aprender, o que acaba afetando seus relacionamentos sociais e minando sua autoconfiança. Nas nossas salas, todos os alunos precisam de atenção. Sabemos que as dificuldades são muitas, mas se importar ainda é a principal missão do educador na escola.

O que é se importar? É perceber que o aluno não está conseguindo, é buscar entender os motivos, é descobrir os pontos fortes do estudante acostumado a fracassar e evidenciá-los para toda a turma. Toda estrela tem seu brilho, basta saber enxergá-lo.

Cabe a Escola também a difícil tarefa de orientar a família e indicar a necessidade de ajuda especializada. Mas, acima de tudo, a escola precisa mostrar empatia, entender como é difícil para a família admitir que algo não vai bem com a criança.

Acolher, explicar, dar tempo para que a dor seja elaborada. Escola não deve dar diagnóstico, deve alertar e incentivar, mostrar-se disponível para buscar soluções em parceria.

No filme, Ishaan tinha dislexia. Embora os sinais fossem claros, ninguém notou até que um professor recém-chegado à escola teve sensibilidade para ver e agir. Ele buscou a família e mostrou que, onde parecia haver rebeldia, havia um grande escudo de proteção.

Solicitou à direção flexibilização nas avaliações, decidiu ajudar por duas ou três horas semanais com atividades de reabilitação, procurou dar ênfase às tarefas em que Ishaan poderia brilhar e deixou de enunciar seus fracassos em voz alta para toda a sala.

O final do filme, claro, foi feliz, como pode ser o futuro dos nossos alunos se forem protegidos e acolhidos em suas singularidades, estimulados a crescer em seu ritmo, valorizados por suas qualidades.

Como você reparou, o Professor fez toda a diferença para que o aluno recebesse a ajuda que precisava. O Professor “ouviu” o pedido de socorro do aluno.

Quando buscamos recursos, quando avançamos no nosso conhecimento, podemos ouvir esses pedidos de socorro. Nossos ouvidos e olhos ficam alinhados para ver além.
http://www.ubuntunoticiasce.com.br/2017/08/ubuntu-noticias-oferecimento.html

0 comentários:

Postar um comentário

Grata pelo comentário! Volte sempre! :)