segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Oficina EVOLUÇÃO DA MOEDA BRASILEIRA AO LONGO DOS ANOS por Lucélia Muniz

Lucélia Muniz* 11 de dezembro de 2017 – Ubuntu Notícias
*Professora e Blogueira

Na quarta-feira (06) tive a oportunidade de participar da II Feira das Profissões – II FERA (Finanças, Edificações, Redes de Computadores e Agronegócio) promovida na EEEP Wellington Belém de Figueiredo. A convite do Coordenador do Curso Técnico em Finanças – o Professor Renan Diniz – tive a oportunidade de ministrar a oficina com o tema - EVOLUÇÃO DA MOEDA BRASILEIRA AO LONGO DOS ANOS.
Para abordar este tema foi preciso parar para estudar mesmo! Afinal, já se foram tantos planos econômicos tentando solucionar crises e ao estarmos num cenário político e econômico também instável é preciso olhar todo esse processo com muita atenção.

Comecei falando do escambo - troca de mercadorias ou serviços sem fazer uso de moeda, - da vinda da família real para o Brasil e a instituição do Banco do Brasil e daí as primeiras moedas a serem cunhadas (em ouro, prata, bronze).
No Brasil Império veio o Padrão Real de 1833-1888, depois a República Mil-réis de 1888-1942. O Cruzeiro foi criado dia 05 de outubro de 1942, mas só passou a valer como unidade monetária a partir da meia-noite do dia 31 de
Outubro de 1942. Ele substituiu o padrão Mil-Réis, que causava problemas por ter divisão milesimal.

O Cruzeiro Novo foi implantado no dia 13 de fevereiro de 1967. O Cruzeiro, padrão monetário desde 1942, perdia três zeros e se transformava em Cruzeiro Novo. O Cruzeiro Novo foi o único padrão monetário que não teve cédulas próprias. O Cruzeiro substituiu o Cruzeiro Novo em 15 de maio de 1970, sendo que um Cruzeiro valia um Cruzeiro Novo. Durou até 27 de fevereiro de 1986.

O Cruzado é proveniente do Plano Cruzado, implantado pelo governo Sarney. O Plano tinha como objetivo combater a inflação e aumentar o poder aquisitivo da população. A partir do dia 28 de fevereiro de 1986, mil cruzeiros passaram a valer um cruzado. O Cruzado Novo entrou em circulação no dia 15 de janeiro de 1989, na segunda reforma monetária do presidente José Sarney.

O Cruzeiro foi reintroduzido como padrão monetário em substituição ao "Cruzado Novo", como parte do "Plano Collor", sem ocorrer a perda de três zeros. Já o Cruzeiro Real foi implantado no 1º de agosto de 1993, substituindo o Cruzeiro, por excesso de zeros.

O Real foi lançado em 01/07/1994 pelo Plano Real no governo Itamar Franco, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar com a inflação. Primeiramente foi estabelecido um índice paralelo para efeito de transição, a Unidade Real de Valor (URV). A Conversão de Cruzeiros Reais para Reais foi feita mediante a divisão do valor em Cruzeiros Reais pelo valor da URV de CR$2.750,00.
Além de mostrar como se deu a introdução dos planos ao longo do tempo também falei sobre a utilização de carimbos nas cédulas na transição de um plano para outro.

Curiosidade
Você sabe quem é aquela moça que aparece nas notas do real?
Você já percebeu que, nas cédulas em circulação no Brasil, além dos diversos animais que estampam a face reversa — como a arara nas cédulas de R$ 10,00 e o mico-leão-dourado nas de R$ 20,00, também existe uma moça que aparece em todas as notas de real? A figura se parece à escultura de uma mulher, toda séria e sem olhos, ilustrando o lado anverso de todas as cédulas. Mas, afinal, quem é essa moça?

De acordo com o Banco Central do Brasil, trata-se de uma efígie simbólica, ou seja, uma ilustração que representa a República. No nosso país, ela foi interpretada sob a forma de uma escultura, e a imagem original que serviu de inspiração para essa representação foi o quadro “A Liberdade Guiando o Povo”, de Eugène Delacroix, no qual a Liberdade é apresentada na forma de uma mulher.

Coleção das moedas de 1 real das olimpíadas 2016
O Banco Central lançou 17 modelos de moedas de R$ 1,00 para as Olimpíadas 2016, feitas em aço como as moedas normais, com desenhos das modalidades esportivas e das mascotes dos Jogos.  Elas foram colocadas em circulação, ou seja, qualquer pessoa pode ter recebido uma de troco. O BC autorizou a fabricação de 20 milhões de cada modelo.
Nesta parte da oficina fiz uma brincadeira com os alunos para que os mesmos tentassem acertar as modalidades esportivas ilustradas nas moedas olímpicas. E, como o Curso de Finanças está mantendo um acervo de cédulas e moedas antigas para um banco de estudo e pesquisa aproveitei para deixar um exemplar desta coleção.
Durante a oficina fiz uma exposição com algumas cédulas e moedas dos referidos planos e também de cartão de crédito e de contas de banco, a exemplo do BEC-Banco do Estado do Ceará que foi comprado pelo BRADESCO.
Agradeço aos amigos e colegas de profissão os Professores da Base Técnica de Finanças - Renan Diniz e Daniele Figueiredo! Obrigada pelo convite para participar deste momento tão importante na formação de nossos alunos! Aos alunos minha gratidão e anseio de que todos possam conquistar seus sonhos e espero ter contribuído com a aprendizagem de vocês! Obrigada também aos monitores que auxiliaram nas atividades - Vinicius Duarte, Camilla Hellen e Lucas Rodrigues do LEI.

0 comentários:

Postar um comentário

Grata pelo comentário! Volte sempre! :)