domingo, 28 de agosto de 2016

Por que #NãoTáTranquiloNãoTáFavorável?

É inevitável a constatação de que os avanços que tivemos no campo dos direitos humanos estão ameaçados. São inúmeras as forças conservadoras que atuam no sentido da perda de direitos e retrocesso das conquistas.

Nesse cenário há um forte sentimento de frustração da sociedade, que se por um lado se vê estimulada a lutar por seus direitos, ainda precisa fortalecer a sua voz. Cada vez mais vemos um ativismo que mobiliza pessoas contra os níveis absurdos da violência sofrida pela juventude negra, a homofobia e o machismo, por exemplo. No entanto, mais do que nunca, esses grupos precisam de nosso apoio.

Esse ativismo dá significado à existência do Fundo Brasil. E é com essa fonte de inspiração, vinda de todas regiões do país, que temos certeza que vale a pena persistir.

Quando falamos de direitos humanos no Brasil, não está tranquilo nem favorável!

Vivemos um momento em que apoiar ideias transformadoras e lideranças coletivas é fundamental. O período é de transição, de início de um novo ciclo, pautado pelo diálogo entre a geração que conquistou direitos e segue lutando por eles e a geração que quer preservá-los e, ao mesmo tempo, busca novas conquistas.

Para alcançar esse Brasil mais justo é necessário um esforço coletivo em que todas e todos percebem que são os sujeitos dos direitos humanos. Só assim poderemos começar a pensar em tranquilidade, que virá com muita ação em defesa dos direitos já conquistados e dos muitos ainda por conquistar.

0 comentários:

Postar um comentário

LUCÉLIA MUNIZ FRANÇA
Blogueira, Professora e Microempresária. Membro da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE, Cadeira nº 35 que tem como Patrona a Professora e Artesã - Maria Constância da França Muniz. Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Regional do Cariri-URCA com habilitação em Matemática. Especialista em Matemática e Física pela Faculdade de Juazeiro do Norte-FJN.