quarta-feira, 6 de março de 2019

Negra, feminina e indígena: Mangueira ousa ao contar a história

Lucélia Muniz
Ubuntu Notícias, 06 de março de 2019
Via Carta Capital

Verde e Rosa homenageou Marielle Franco e os heróis negligenciados pela história hegemônica

A escola de samba Estação Primeira de Mangueira entrou na Sapucaí no meio da madrugada da terça-feira (05) – do Carnaval do Rio de Janeiro – e tão logo os primeiros foliões pisaram na avenida, o público nas arquibancadas não parou mais de cantar. Ao menos ali estava claro que aquela era a escola mais aguardada.

A Verde e Rosa ousou ao cantar e contar sobre os heróis negligenciados pelos livros da História do Brasil, e fez a prometida homenagem à vereadora Marielle Franco, um dos momentos mais aguardados. Muitos levaram a placa “Rua Marielle Franco”, outra com “Mari Presente”, e também “Justiça por Marielle”.

Na arquibancada popular, mais manifestações, entre elas um bandeirão com o rosto da carioca, assassinada em 14 de março do ano passado. Na pista, as referências à vereadora apareceram na comissão de frente e na última ala. Ao longo da escola, que levou o Estandarte de Ouro de melhor escola do Grupo Especial, apareceram personagens como Luisa Mahin, Esperança Garcia e Chico da Matilde.

A arquiteta Mônica Benício, viúva de Marielle, esteve presente na passarela, usando uma camiseta com os dizeres “Lute como Marielle”. O deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) e o vereador Tarcísio Motta (PSOL) também participaram do desfile.

Ao longo do desfile, os carros trouxeram frases como “Ditadura Assassina”, mostraram ex-presidentes como Floriano Peixoto pisando em cadáveres e apresentaram os Bandeirantes como gananciosos que mataram e escravizaram índios em busca de ouro (ao invés da imagem de desbravadores que consta nos livros escolares).

Um dos destaques da escola foi a bateria que levantou o público ao utilizar instrumentos característicos de religiões de matriz africana. A ação foi pensada não apenas pela sonoridade, mas para explicitar, mais uma vez, o tom político e social do desfile de 2019, buscando valorizar a cultura afro e criticar o preconceito contra as religiões afrodescendentes.

0 comentários:

Postar um comentário

LUCÉLIA MUNIZ FRANÇA
Blogueira, Professora e Microempresária. Membro da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe-CE, Cadeira nº 35 que tem como Patrona a Professora e Artesã - Maria Constância da França Muniz. Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Regional do Cariri-URCA com habilitação em Matemática. Especialista em Matemática e Física pela Faculdade de Juazeiro do Norte-FJN.